Seleção Brasileira faz história com jogo de combate ao racismo

Seleção Brasileira faz história com jogo de combate ao racismo

Equipe enfrenta Guiné neste sábado às 16h30 (horário de Brasília), em Barcelona

Vinicius Junior representa inúmeros colegas na luta contra o racismo Vinicius Junior representa inúmeros colegas na luta contra o racismo
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Em 109 anos de história, jamais a Seleção Brasileira entrou em campo com uniforme todo preto. Isso será visto hoje pela TV e por quem acompanhar a partida contra Guiné, no Estádio Cornellà-El Prat, na cidade de Barcelona, a partir das 16h30 (horário de Brasília). A medida faz parte de uma campanha mundial antirracista, protagonizada pela CBF e endossada pela Fifa.

“Estamos muito felizes pela repercussão de nossas ações que receberam o apoio incondicional da Fifa. O futebol, a sociedade como um todo, não comporta mais o racismo. Escolhemos a Espanha para esse amistoso por uma questão emblemática. Tenho certeza que o jogo contra a seleção de Guiné será um marco na história do futebol mundial”, disse o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

“É muito significativo o Brasil jogar de preto pela primeira vez. Só tomei essa decisão por que o caso requer atitudes extremas. Eu quero cada vez mais a CBF e as seleções conectadas com os assuntos pertinentes ao mundo atual”, prosseguiu.

Presidente Ednaldo Rodrigues abraça Rodrygo, que também já foi alvo de manifestações racistas Presidente Ednaldo Rodrigues abraça Rodrygo, que também já foi alvo de manifestações racistas
Créditos: Joilson Marconne/CBF

O amistoso recebeu mais do que o aval da Fifa. Durante a semana, o presidente da entidade máxima do futebol mundial, Gianni Infantino, esteve no hotel que hospeda a delegação brasileira em Barcelona para transmitir seu apoio à causa, anunciando medidas de enfrentamento ao racismo, como a da obrigatoriedade de paralisação das partidas em qualquer lugar do planeta caso haja algum episódio nos estádios e até mesmo a perda de pontos.

Na oportunidade, Infantino se reuniu a sós com o presidente das CBF, Ednaldo Rodrigues. Depois, os dois receberam Vinicius Jr para um novo encontro a portas fechadas.

Ao longo do Campeonato Espanhol de 2022/2023, Vini Jr foi alvo de manifestações racistas diversas vezes. Recentemente, em Valência, quando o Real Madrid enfrentava o Valencia, parte expressiva dos torcedores no estádio ofendeu o atleta. Esse incidente culminou com uma onda de solidariedade ao jogador e a todos aqueles que passam ou passaram pela mesma situação.

Presidentes da FIFA e da CBF com os jogadores da Seleção Brasileira Presidentes da FIFA e da CBF com os jogadores da Seleção Brasileira
Créditos: Joilson Marconne / CBF

No amistoso deste sábado, a Seleção Brasileira trocará de uniforme no intervalo. Vai usar no segundo tempo a tradicional camisa amarela, mas ela também trará uma menção à campanha “com o racismo não tem jogo” lançada pela CBF.

Confira outras ações previstas para a partida contra a seleção de Guiné:

- Toda adesivação do estádio e protocolo de jogo em preto e branco;

- Músicas de artistas pretos, desde a abertura dos portões, no som do estádio;

- Vídeo no telão de combate ao racismo antes de os jogadores entrarem em campo;

- 1 minuto de silêncio contra o racismo;

- Regressiva de 10 segundos para o apito inicial mostrando mãos de atores pretos;

- Jogadores sentarão no gramado no apito inicial.

 

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Guaraná Antartica Vivo Itaú Neoenergia Mastercard Gol Cimed Pague Menos TCL Semo Technogym Core Laser Mectronic Kin Analytics