50 anos do Tri: Com cinco décadas de cobertura, Osires Nadal relembra 1970: 'Paraná abraçou o Tri'

50 anos do Tri: Com cinco décadas de cobertura, Osires Nadal relembra 1970: 'Paraná abraçou o Tri'

Radialista paranaense foi ao gramado do Azteca após a vitória sobre a Itália e dá detalhes sobre volta olímpica ao lado de Jairzinho, Pelé, Tostão e companhia

jairzinho Osires Nadal, de óculos e bandeira na mão, perto de Jairzinho durante a volta olímpica da Seleção no Azteca
Créditos: FIFA

A série "50 anos do Tri" relembra, em crônicas e reportagens, a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira. Serão várias publicações ao longo do mês de junho, que marca o aniversário do terceiro título mundial do Brasil.

"O Paraná te abraça!" Quem ouve jogos da Seleção Brasileira pelo rádio certamente já deve ter escutado esta expressão. É o grande bordão do radialista Osires Nadal. Paranaense de Ponta Grossa, ele acompanha a Seleção Brasileira há mais de cinco décadas e é o único que segue a Canarinho até hoje. No ano de 1970, o profissional viajou pela primeira vez para cobrir a equipe de perto. Uma foto da comemoração do tricampeonato brasileiro (exibida acima) mostra que ele, realmente, estava bem próximo dos jogadores. 

Com uma bandeira na mão e ao lado do atacante Jairzinho, que vinha sendo carregado nos ombros, no gramado do Estádio Azteca. Assim estava Osires Nadal há exatos 50 anos. O radialista acompanhava o jogo das tribunas de imprensa e a ida ao campo não era programada. Em entrevista ao site da CBF, ele conta como tudo aconteceu.  

– Invadimos o campo e a Polícia mexicana nem ligou, pois também queria ver o jogo. Entramos eu, alguns brasileiros e milhares de mexicanos. Nós saímos dando a hipotética volta olímpica, corremos um bom pedaço do campo com o Pelé. E depois veio essa cena com o Jairzinho. Foi um lance de sorte, não foi nada programado, nada previsto. Ficamos ali até o Carlos Alberto receber a Taça. Eu tenho muita alegria, porque a Jules Rimet passou diante dos meus olhos. Vinte e quatro anos depois, eu estava três degraus acima de onde estavam Dunga e Romário e também vi este troféu de perto. Foram momentos que Deus me deu e eu o agradeço muito por isso – declarou. 

LEIA MAIS
50 anos do Tri: A Copa de 1970 pelo jornalista Roberto Assaf

Osires Nadal entrevista Mario Zagallo durante a Copa do Mundo Osires Nadal entrevista o técnico Zagallo durante a Copa do Mundo 1970 no México
Créditos: Acervo pessoal

Osires Nadal começou a trabalhar como radialista na adolescência, aos 14 anos. O primeiro contato com a Seleção foi três anos mais tarde, no Mundial de 1962, mas ainda de longe, através do sinal que chegava pelas ondas do rádio. Apesar da vontade, o paranaense não tem grandes pretensões para ir ao México oito anos depois. Só que o destino reservava uma grande surpresa para ele. 

– Em 1962, quando o Brasil começou a ganhar naquele momento com o Pelé lesionado, nós fomos às ruas da cidade fazer entrevistas. E a partir dessa conquista, a admiração pelo Brasil foi crescendo e eu fui me firmando como homem de comunicação. Então, em 1970 surgiu a oportunidade de ir ao México. Eu tinha um programa de rádio e apareceu uma agência de turismo de Porto Alegre. O representante foi na lá, pediu uma entrevista e eu concedi. Ele disse: ‘Eu preciso vender passagens aqui, se você vender dez pacotes (para a Copa do México), você ganha um’. Eu respondi: ‘Você está brincando’. Aí eu vendi 15 pacotes e ganhei o meu, com passagens aéreas e hospedagem paga. Não tinha como fazer transmissão dos jogos para a minha rádio na época, mas acertei que faria boletins. No México, eu ia nos bastidores da Seleção e entrevistava os jogadores. Gravava com eles, ia para o hotel e pedia uma ligação para o Brasil, que demorava um pavor. E depois eu soltava as entrevistas. Foi mais ou menos assim que tudo aconteceu há 50 anos – acrescentou. 

VEJA TAMBÉM
50 anos do Tri: A Copa de 1970 pelo jornalista Claudio Carsughi

De 1970 para cá, com exceção da Copa de 1974, Osires Nadal esteve em todas as grandes competições disputadas pela Seleção ao redor do planeta e deixou de ir a pouquíssimos jogos. O jornalista diz que se sente um privilegiado por isso e destaca alguns dos países que passou e competições que cobriu. 

– Eu tenho a impressão de que (já conheci) a América do Sul inteira. Nós viajamos muito com a Seleção Brasileira. Japão, Coréia, Noruega, Islândia, Finlândia... Fiz Copa América, amistosos, Eliminatórias da Copa e Copas do Mundo. Tenho participado, graças a Deus, de quase todos. Um ou outro eu não fui por conta da minha saúde. Mas sempre me faço presente. Recentemente conheci a Arábia também. O legal é ter essa convivência, essa amizade, respeito, em que você abraça o Tite como se fosse um menino que nasceu aqui no Paraná. E o respeito que a gente dá para eles, e recebe deles. Por isso aquela frase ‘o Paraná te abraça’ ficou consagrada no nosso meio. São as amizades que ficam – afirmou.

Osires Nadal e o técnico Tite, da Seleção Brasileira Osires Nadal ao lado do técnico Tite. Jornalista segue a Seleção há 50 anos
Créditos: Acervo pessoal

Com a experiência de quem já esteve em mais dez Copas do Mundo, Osires segue com apetite para ver a história sendo escrita de perto e poder ajudar a contá-la para os brasileiros. Sonhando com a participação em mais uma volta olímpica, o paranaense torce para que a próxima seja com um final feliz para Canarinho, é claro.

– O Paraná abraçou o Tri, o Tetra e o Penta (risos). E em 2022 vamos estar lá no Catar também. Vamos abraçar o hexa, se Deus quiser! – finalizou. 

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports