Raízes da Seleção: A vida e o desafio de Gabriel Jesus

Raízes da Seleção: A vida e o desafio de Gabriel Jesus

Atacante da Seleção Brasileira tem tatuada no peito a música "A Vida é Desafio", do Racionais MC's. E ela pode explicar muito bem sua história de vida

Série especial conta história dos jogadores da Seleção Brasileira

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Para todo menino de quebrada, sonhar é uma obrigação. Nascido e criado no Jardim Peri, na Zona Norte de São Paulo, Gabriel Jesus sentiu na pele várias das dificuldades impostas pela vida na periferia. Foi justamente no corpo que ele marcou uma música que resume bem sua história de vida. Trilha sonora de tantos garotos que vieram de onde ele veio, o grupo Racionais MC's lançou em 2002 um de seus maiores sucessos. Os versos iniciais de "A Vida é Desafio" sempre significaram muito para Gabriel, que transformou a canção em um mantra para sua batalha.

"Sempre fui sonhador/É isso que me mantém vivo/Quando pivete, meu sonho era ser jogador de futebol/Vai vendo..."

Fã de Racionais desde a infância, ele transformou a composição na música de sua vida. Mais do que a tatuagem, a canção está presente em sua rotina. Todo dia, pelo menos uma vez, coloca a música para tocar. Antes de cada jogo, ela volta ao seu ouvido. É nesse momento que Jesus presta atenção em cada verso, em cada palavra. No modo como estão retratadas ali inúmeras vidas Brasil afora. Histórias de jovens que, assim como ele, um dia ousaram sonhar.

- Essa música tem um valor tão grande para mim, é incrível. Não fala sobre a minha vida. Mas fala sobre uma cultura, a realidade que temos nas comunidades. Tem muita verdade nessa música. Quando eu ouço, lembro de tudo. Do começo, dos amigos que tinham o talento e acabaram se perdendo, sem oportunidades. Da rua em que eu morava, de como o Peri era antigamente.

Veja mais: Militão foi uma criança atentada, mas descobriu no esporte uma saída para sua vida

Para além do ambiente em que cresceu, Gabriel Jesus poderia embalar sua trajetória no futebol com a canção. O começo não foi nada fácil. Antes do crescimento meteórico no Palmeiras, o título olímpico com a Seleção e a transferência milionária para o futebol inglês, o atacante viveu num mar de incertezas. Em 2013, prestes a completar 16 anos, o atacante não tinha um clube sequer para treinar.

Com essa idade, seus irmãos começaram a trabalhar para ajudar a família a se sustentar. Esse poderia ser também o destino de Jesus, mas seus familiares decidiram apostar nele. Motivado pela mãe, pelos irmãos e pelos versos do Racionais, Gabriel seguiu a rotina de peneiras e testes, até ser aprovado no Palmeiras. Dali para frente, o talento desabrochou de vez.

- Meu instinto é de acreditar muito e ir atrás do que eu quero. Não canso, sempre com muita fé e muita vontade. Se falar que eu tinha certeza que iria virar um jogador de futebol, estarei mentindo. Tive ajuda da família, de amigos, mas tive bastante fé e sempre corri atrás - lembrou.

Recentemente, Gabriel Jesus teve que pôr a prova mais uma vez sua capacidade de superação. Titular da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo da Rússia, em 2018, terminou o Mundial sem conseguir balançar as redes. As críticas vieram, e o atingiram. A Copa ficou em sua mente por meses. Mas Jesus nunca foi de se dar por vencido ou abaixar a cabeça. Afinal, a música já dizia que a vida não era um problema. Era, na verdade, esse desafio constante, que nunca para de nos surpreender.

Leia também: Marquinhos descobriu tardiamente seu futuro no futebol e aproveitou a base que construiu nas salas de aula

Reconhecendo os erros pelo caminho, Gabriel tenta fazer de cada obstáculo uma lição. Ciente do momento ruim que viveu durante a Copa, o pivete do Peri olha para frente com a cabeça erguida. Sabe que o tempo passa, as batalhas se apresentam e ele vence. Porque não é e nunca foi de sua natureza desistir do próprio sonho.

- Eu gosto muito de reconhecer os meus erros, assim como meus acertos. É impossível ter erro zero. Eu venho evoluindo muito, aprendendo bastante com o que errei. Tenho mais uma oportunidade de jogar futebol e realizar um sonho, que é conquistar uma Copa América, lá na frente uma Copa do Mundo. Eu olho para trás, vejo tudo que passei, tudo que ralei, para chegar até aqui hoje. Só quero sempre dar orgulho para minha família e para minha mãe.

Retrato Gabriel Jesus Gabriel Jesus é o artilheiro da Seleção Brasileira na Era Tite
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

PATROCINADORES

Seleção Brasileira