Jairzinho, o único jogador que marcou gol em todos os jogos de Copa do Mundo

Jairzinho, o único jogador que marcou gol em todos os jogos de Copa do Mundo

Foram sete em seis jogos. Assista ao vídeo de matéria publicada no site no ano pasado

Debaixo de sol forte, rigor com os alunos e sorriso no rosto num campo de grama típico das comunidades cariocas. Essa é a rotina atual de Jairzinho, o Furacão da Copa de 70, que as terças e quintas-feiras coordena uma escolinha de futebol em Manguinhos, na periferia do Rio de Janeiro. 

Seja para falar do projeto social que toca com alegria e simplicidade, seja para relembrar cada gol dos sete que fez na Copa do Mundo de 1970, que deu ao Brasil o tricampeonato mundial, Jairzinho tem papo fácil. O brilho nos olhos durante a conversa com o site cbf.com.br é a certeza de quem se orgulha do que fez no passado, mas também do que constrói no presente para ajudar o futuro de tantos meninos.

Jairzinho tem atualmente 69 anos. Nasceu em 25 de dezembro de 1944. É carioca de nascimento, criação e formação. Não teria cidade mais propícia para ele criar o seu projeto social. Na escolinha Fábrica de Talentos Furacão de 70, ao lado de companheiros como Jorge Eiras, professor de Educação Física da UERJ, e de ex-jogadores como Marco Antonio, ele treina meninos de 12 a 18 anos em oito turmas entre terça e quinta-feira. 

- Nenhum deles paga nada, pelo contrário. A gente tenta ajudar com chuteira, uniforme é com a gente também. Nosso objetivo aqui, antes de mais nada, é formar o homem. Mas também, nesses três anos de projeto, têm jogadores que saíram daqui e estão em clubes pelo Rio de Janeiro - comentou Jairzinho.

Depois de falar com empolgação do que faz atualmente, Jairzinho se soltou mais ainda quando o assunto virou Copa do Mundo. Também pudera, né? O que deve passar na cabeça de alguém que conseguiu marcar gols em todos os jogos de uma mesma edição de Copa do Mundo? Adicione a este enredo um ingrediente: quatro anos antes, Jairzinho havia sofrido uma contusão na qual os médicos disseram que ele dificilmente voltaria a andar, quem dirá jogar bola.

- Fui um dos pioneiros a receber um enxerto ósseo. O médico perguntou se eu tinha religião, porque se tivesse, era aquele o momento de apelar para a fé. Quando olho para trás e lembro do que veio a seguir, na Copa do Mundo de 70, nossa, fica até difícil descrever - disse um orgulhoso Jairzinho.

É para ter orgulho mesmo. Quem mais tem uma história dessas? Jairzinho conquistou seu primeiro título com a Seleção Brasileira em 1963, no Pan-Americano. Depois, na Copa do Mundo de 1966, o primeiro gosto amargo com a amarelinha, segundo ele mesmo disse. Quatro anos depois, ele marcaria sete gols nas seis partidas da Copa do Mundo de 1970.

- Foram diversos pactos que envolveram aquela equipe. O principal deles: nós decidimos ser Brasil. Não tinha negócio de individualismo. A gente definiu que se fossemos campeões seríamos como grupo, como nação, como Brasil - contou.

Em campo, o que se viu foi uma Seleção deslumbrante, que envolveu um a um seus adversários até conquistar definitivamente a Taça Jules Rimet. Mérito dos jogadores, mas também muito crédito para Zagalo, como explicou o próprio Jairzinho.

- Você já imaginou alguém colocar cinco camisas 10 para jogar juntos? Na prática era isso: eu, Pelé, Gérson, Tostão e Rivelino fazíamos a diferença em nossos clubes. Na Seleção, tínhamos total liberdade dentro de campo, fizemos uma preparação física e técnica muito bem elaborada. Aquela Jules Rimet tinha de ser nossa - orgulha-se.

No quadro "Eu sou campeão do mundo", que estreou com uma entrevista de Gérson, o Canhotinha de Ouro falou do entrosamento que tinha com Jairzinho desde os tempos de Botafogo. O Furacão também lembra bem dessa dupla.

- Tínhamos um entrosamento à altura daquela Seleção, com muitas variações de jogadas. Tem um gol meu nessa Copa que até o câmera foi driblado, mas o Gérson já sabia o que fazer. Eu fingi um movimento, levei o marcador e o Canhota me lançou nas costas, com perfeição. No replay, o lance já mostra eu driblando o goleiro pra fazer o gol - detalhou.

Dentre as muitas curiosidades daquele Mundial, Jairzinho destacou uma das que mais o marcou. Depois da partida contra a Inglaterra, na qual o Brasil venceu por 1 a 0 com gol do próprio, no dia seguinte, durante o almoço, os jogadores ingleses foram até a concentração da Seleção para conhecer de perto, na intimidade, aqueles brasileiros quase sobrenaturais dentro de campo.

- Ficamos lá, sentados, vendo aqueles caras gigantes da seleção inglesa, que era a atual campeã do mundo, querendo falar com a gente, conhecer a gente, impressionados com o que tinham visto no dia anterior.

Vale a pena conferir essa entrevista com o Furacão da Copa de 70 em vídeo, na CBF TV. Ele descreve com detalhes e orgulho no rosto cada um dos sete gols marcados naquela campanha e muito mais.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira