50 anos do Tri: Pelé, meia da Seleção Brasileira de 1970

50 anos do Tri: Pelé, meia da Seleção Brasileira de 1970

Mundial do México marcou a despedida de Pelé com a camisa da Seleção Brasileira, com direito ao terceiro título de Copa do Mundo

Pelé comemora gol durante a Copa do Mundo de 1970 Pelé comemora gol durante a Copa do Mundo de 1970
Créditos: Acervo CBF

A série "50 anos do Tri" relembra, em crônicas e reportagens, a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira. Serão várias publicações ao longo do mês de junho, que marca o aniversário do terceiro título mundial do Brasil. Conheça agora o meia Pelé, um dos campeões. Até o aniversário da final da Copa, serão apresentados todos os atletas e o técnico Zagallo, por ordem alfabética.

10. Pelé

Nome: Edson Arantes do Nascimento
Posição: Meia
Nascimento: 23/10/1940
Cidade natal: Três Corações (MG)
Clube: Santos FC

Como tentar resumir em palavras o que foi Pelé? Com três letras, há uma palavra no dicionário que é comumente usada para descrevê-lo: Rei. E nesse caso há de se perdoar a repetição, mas é porque realmente ela sempre ajuda a solucionar esse problema.

VEJA
50 anos do Tri: Poupado? Entenda o boato que fez Pelé pedir para jogar contra a Romênia

Na Seleção Brasileira de 1970, Pelé já era um veterano, apesar da pouca idade. Aos 29 anos, estava em sua quarta e última Copa do Mundo. No elenco brasileiro, era o único remanescente do time bicampeão mundial em 1958 e 1962. Já chegara ao México com status de divindade da bola. Tinha o carinho do povo mexicano, especialmente pelas várias excursões que o seu Santos bicampeão do mundo fez ao país na década de 60.

A participação de Pelé na Copa do Mundo era cercada de expectativas, que foram confirmadas com o passar do tempo. O Rei fez um Mundial para a história. Foram quatro gols e seis assistências em apenas seis jogos, números que impressionam, mas não contam a história toda.

LEIA MAIS
50 anos do Tri: Pelé x Cubillas, o duelo entre dois reis sul-americanos

Pelé foi mais do que um gol, uma assistência, uma corrida implacável pelo meio. Era a magia da Seleção Brasileira, o comandante de um time que primava pelo futebol bem jogado. Um embaixador do jogo bonito. A Copa do Mundo de 1970 foi o seu último capítulo como jogador da Seleção Brasileira. E foi lindo.

Na decisão contra a Itália, Pelé fez o gol que abriu o placar. Ainda deu a assistência para o antológico gol de Carlos Alberto, que fechou a vitória por 4 a 1. Ao fim do jogo, foi erguido nos ombros de torcedores, jornalistas, jogadores, soldados, quem quer que estivesse no gramado. As testemunhas de Pelé sabem o que ele significou para o futebol. E a Copa de 1970 é apenas um resumo disso tudo.

E AINDA
50 anos do Tri: Museu Seleção Brasileira resgata memórias da Copa de 1970

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports