50 anos do Tri: Fontana, zagueiro da Seleção Brasileira de 1970

50 anos do Tri: Fontana, zagueiro da Seleção Brasileira de 1970

Confira o perfil do zagueiro Fontana, que atuou na vitória por 3 a 2 sobre a Romênia

Brito e Fontana pelo Vasco da Gama Brito e Fontana pelo Vasco da Gama
Créditos: Acervo CBF

A série "50 anos do Tri" relembra, em crônicas e reportagens, a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira. Serão várias publicações ao longo do mês de junho, que marca o aniversário do terceiro título mundial do Brasil. Conheça agora o zagueiro Fontana, um dos campeões. Até o aniversário da final da Copa, serão apresentados todos os atletas e o técnico Zagallo, por ordem alfabética.

15. Fontana

Nome: José de Anchieta Fontana
Posição: Zagueiro
Nascimento: 31/12/1940
Cidade natal: Vitória (ES)
Clube: Cruzeiro EC

Nascido em Vitória (ES), Fontana começou sua trajetória no futebol capixaba. Defendeu, no início da carreira, dois rivais: o Vitória e o Rio Branco, pelo qual conquistou o Campeonato Capixaba. O zagueiro se destacou tanto que acabou se transferindo para jogar em um estado vizinho.

O Vasco da Gama contratou Fontana no começo da década de 1960. No Cruzmaltino, Fontana pegou o fim da era marcada pela liderança de Bellini, na defesa, e formou dupla com Brito por muitos anos. Em 1969, o defensor se transferiu para o Cruzeiro, de Belo Horizonte (MG), e desfez a dupla de zaga com Brito. Mas não por muito tempo.

Em 1970, os dois estiveram novamente lado a lado. Mas dessa vez não foi por um clube do nosso futebol, e sim pela Seleção Brasileira. Ambos foram convocados pelo técnico Zagallo para a disputa da Copa do Mundo do México.

E MAIS
50 anos do Tri: Joel, zagueiro da Seleção Brasileira de 1970

A princípio, Fontana foi levado para ser o substituto imediato na zaga brasileira, já que os titulares seriam Brito e Piazza. Mas o defensor teve a oportunidade de atuar ao lado do antigo companheiro na partida contra a Romênia, na última rodada da fase de grupos. Com a lesão de Gérson, Piazza voltou ao meio-de-campo e Fontana ganhou a vaga entre os titulares. Aquele foi o único jogo dele durante o Mundial. Aquela seria, também, sua última partida com a camisa da Seleção.

Cerca de 10 anos depois da conquista do Tri, Fontana nos deixou precocemente, vítima de um ataque cardíaco durante uma pelada com amigos. Até hoje, Fontana é o único capixaba a conquistar a Copa do Mundo.

VEJA TAMBÉM
50 anos do Tri: Edu revela conversa com Rivellino antes da Copa e mostra companheirismo do grupo

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports