10 curiosidades sobre a Copa do Mundo FIFA de 1970 no México

10 curiosidades sobre a Copa do Mundo FIFA de 1970 no México

Copa do Mundo de 70 apresentou ao mundo uma Seleção Brasileira fascinante entre outras novidades que transformaram o futebol

Jairzinho - Brasil x Itália - Copa do Mundo 1970 Jairzinho - Brasil x Itália - Copa do Mundo 1970
Créditos: FIFA

A série "50 anos do Tri" relembra, em crônicas e reportagens, a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira. Serão várias publicações ao longo do mês de junho, que marca o aniversário do terceiro título mundial do Brasil.

A Seleção Brasileira de 1970 foi, sem dúvida, uma das maiores reuniões de craques que o futebol brasileiro já apresentou em uma Copa do Mundo. O futebol envolvente da Canarinho encantou o mundo e marcou a história das Copas assim como as novidades que passaram a fazer parte do futebol a partir da competição no México. Por exemplo, você sabia que as substituições no futebol começaram neste mundial? Listamos abaixo 10 curiosidades sobre a Seleção Brasileira e a Copa do Mundo de 1970.

De olho na telinha

1 – A Copa do Mundo Fifa de 1970 foi a primeira a ser transmitida ao vivo pela televisão para todo o planeta, via satélite. No Brasil, as imagens chegaram em preto e branco.

Pique novo

2 – A Copa do Mundo Fifa de 1970 marcou a estreia das substituições durante os jogos de futebol. Inicialmente, eram permitidas apenas duas mudanças. A primeira substituição brasileira foi no segundo tempo do jogo de estreia contra a Tchecoslováquia. Gerson deu lugar a Paulo César Caju. 

LEIA MAIS
50 anos do Tri: Além do talento, Parreira destaca que preparação física fez diferença para o título

Olha o cartão!

3 – Árbitros usaram pela primeira vez os cartões – amarelo e vermelho –, como conhecemos hoje em dia, na Copa do Mundo Fifa 1970. As cores foram inspiradas no semáforo de trânsito. O primeiro jogador brasileiro a receber um cartão amarelo na competição foi Tostão, logo no primeiro minuto do jogo de estreia contra a Tchecoslováquia.

Constelação ofensiva

4 – Os craques Jairzinho (Botafogo), Rivelino (Corinthians), Gérson (São Paulo) e Pelé (Santos), a linha de frente da Seleção Brasileira, vestiam a camisa 10 em seus clubes. Tostão, que vestia a oito no Cruzeiro, já vestira a 10 da Seleção antes do Mundial.

50 anos do Tri - Fotos da Copa do Mundo de 1970 com selo A Seleção na Copa do Mundo de 1970
Créditos: Acervo CBF

Implacável

5 – Jairzinho recebeu o apelido de Furacão por ter marcado gol em todos os jogos da Copa do Mundo de 1970. Feito inédito na história dos mundiais.

E AINDA
50 anos do Tri: Tim Vickery relembra duelo entre Brasil e Inglaterra

Pimba na gorduchinha!

6 – A Copa do Mundo de 1970 trouxe uma novidade para o campo: a famosa bola de 32 gomos em preto e branco substituiu de vez a redonda e marrom de couro. 

"La Patada Atômica"

7 – Rivellino foi apelidado pelos mexicanos de Patada Atômica após o gol de falta marcado na goleada contra a Tchecoslováquia na estreia da Copa do Mundo de 70: 4 a 1.

Início promissor

8 – Antes de treinar a Seleção Brasileira em outras Copas, Claudio Coutinho (1978) e Carlos Alberto Parreira (1994 e 2006) foram preparadores físicos do time campeão em 1970.

VEJA TAMBÉM
O que rolava no Brasil e no mundo no ano do Tri da Seleção Brasileira?

Brilho reconhecido

9 –  Seis jogadores brasileiros integraram a seleção da Copa do Mundo de 1970: Carlos Alberto, Clodoaldo, Gérson, Jairzinho, Pelé e Rivellino.

Sua Majestade no álbum

10 – O álbum de figurinhas da Copa do Mundo de 70 foi o único com cromo de Pelé como jogador. Sem dúvidas, objeto de desejo de colecionadores em todo mundo.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports