Bruna e Debinha: contraste de alturas na Feminina

Bruna e Debinha: contraste de alturas na Feminina

No time de Vadão para a Rio 2016, a zagueira Bruna Benites é a mais alta do elenco, enquanto a atacante Debinha ocupa a posição de mais baixa do grupo

A atacante Debinha mede 1,57cm e a zagueira Bruna Bentes tem 1,78cm

A atacante Debinha mede 1,57cm e a zagueira Bruna Bentes tem 1,78cm

Créditos: Kin Saito / CBF

Debinha e Bruna Benites se preparam para disputar os Jogos Olímpicos Rio 2016

Debinha e Bruna Benites se preparam para disputar os Jogos Olímpicos Rio 2016

Créditos: Kin Saito / CBF

Qualidade técnica e tática dentro de campo não são medidos aos palmos. Se por um lado a alta estatura pode influenciar em jogadas decisivas, ser baixinha também é ponto favorável na hora da vitória. É assim que Bruna Benites e Debinha, da Seleção Feminina de Futebol, justificam os 20 centímetros que as separam na altura. Bruna é a mais alta do grupo de Vadão, com 1,78 m, e Debinha é a mais baixa, com 1,57 m. 

Prestes a disputar a segunda Olimpíada em sua carreira, a zagueira Bruna reconhece que os centímetros a mais podem ajudá-la no rendimento na posição de defensora.

– Apesar da minha altura, eu sou uma zagueira rápida. Acho que a altura acaba me favorecendo muito mais do que me atrapalhando. O fato de ser defensora, de estar sempre nas bolas paradas, ser mais alta acaba sendo um ponto positivo na hora de brigar pela bola. Tem atacantes também que são bem altas e fortes. Então o fato de ter uma estatura maior ajuda muito nessa situação.

Já a atacante Debinha, estreante da competição, reforça as qualidades de se ter uma estatura menor:

– Eu procuro muito trabalhar a velocidade e força. Por ter uma estatura baixa, ainda sim consigo saltar alto e ter uma certa impulsão que pode me ajudar. Às vezes, a gente pega uma zagueira alta, mas um pouco mais lenta, então apesar da altura eu posso sair na vantagem também por conta da agilidade.

Concentradas há mais de uma semana na Vila Olímpica do Rio de Janeiro e vivendo a fase de preparação para a disputa do ouro inédito na Rio 2016, Bruna se diverte com os comentários sobre a sua altura.

– Um dia eu cheguei no refeitório da Vila Olímpica e lá todo mundo se fala e pergunta de qual modalidade você é. Quando eu falo que sou do futebol ninguém acredita. Todos falam que eu sou do vôlei, atletismo ou salto. Futebol é sempre a última opção.

Sobre o vôlei, a zagueira revelou que até Debinha entrou no elenco da modalidade. Bruna destaca ainda a boa atuação da companheira nos jogos da Seleção.

– Eu e Debinha estamos sempre andando juntas. Então quando as pessoas perguntam se a gente joga vôlei, dizem que a Debinha é a levantadora. E apesar de ela ter uma estatura baixa, ela é uma jogadora agressiva e está sempre com essa vontade de ir em busca do gol. O fato de ela estar sempre lutando e incomodando na área adversária, além de ser uma atacante muito rápida, faz a diferença certamente na hora do jogo. Baixinha, rapidinha e quando você acha que não, ela já está ali dando trabalho.

A atacante brinca com a situação e revela se aproveitar de algumas opiniões.

– Chega a ser engraçado algumas vezes. Por ser baixinha, às vezes, não dão nada por mim. Eu sempre brinco e falo que enquanto elas tão bobeando, a gente vai aproveitando as oportunidades e fazendo gol. 

A Seleção Feminina de Futebol estreia nos Jogos Olímpicos nesta quarta-feira (03), às 16h, contra a China no Estádio Olímpico João Havelange. 

PATROCINADORES

Seleção Brasileira