Erika vibra com nova chance na Seleção Feminina e coroa noite com gol

Erika vibra com nova chance na Seleção Feminina e coroa noite com gol

Após lesão antes da Copa do Mundo, Erika volta a jogar pela Seleção e marca diante da Argentina

Brasil bate a Argentina no Pacaembu pelo Torneio Uber Internacional de Futebol Feminino - Erika

Créditos: Mauro Horita/CBF

A zagueira Erika viveu uma noite especial no Pacaembu. Mais de dois meses depois de ter sido cortada da Copa do Mundo, com uma lesão na panturrilha, a defensora voltou a vestir a camisa da Seleção Feminina nesta quinta-feira. E ela não poderia ter pedido uma maneira melhor para retornar: com gol e vitória contra um grande rival.

Foi dela o quarto gol brasileiro no triunfo por 5 a 0 sobre a Argentina, pelo Torneio Internacional Uber de Futebol Feminino. Apesar do gol, Erika não saiu 100% satisfeita de campo. A zagueira teve a chance de marcar em outras oportunidades e ficou engasgada com algumas das chances perdidas.

- Fico feliz pela oportunidade de voltar à Seleção. Agora é dar continuidade.  Mas estou com raiva (pelos gols perdidos).  Gosto de cabecear, de estar dentro da área. Hoje não funcionou tanto. Fiz um gol, mas várias bolas da Andressa foram muito bem batidas. Eu preciso aproveitar essas oportunidades e fazer o gol. Mas fico feliz pelo que marquei, pelo cruzamento da Andressa e pela vitória - ressaltou. 

Mais do que o resultado ou o gol, foi o desempenho que deixou Erika mais feliz após a partida. A partida marcou a estreia da Seleção Brasileira sob o comando de Pia Sundhage. A sueca assumiu o trabalho recentemente e deu seus primeiros treinos no início da semana.

Mesmo com o pouco tempo de trabalho, a técnica já conseguiu passar algumas ideias de jogo para o time. Ao menos é dessa forma que viu Erika, que elogiou a atuação brasileira após o jogo.

- A gente implantou um futebol muito bonito, de toque de bola, rapidez. Ficamos felizes. Quando isso flui, é porque o trabalho está dando certo. A Pia (Sundhage, nova técnica da Seleção) tinha pedido muita bola de transição, velocidade no fundo. Ela ainda fala muito da nossa transição defensiva, que quando perder a bola, todo mundo precisa recuperar o quanto antes, compactar, ajustar a linguagem corporal. São detalhes que ganham uma partida e fazem o trabalho fluir - destacou a defensora.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira