O diário da conquista da Sub-17

O diário da conquista da Sub-17

Como todo título, a trajetória rumo ao troféu do Sul-Americano reservou histórias que marcaram cada passo da caminhada

Brasil Sub-17 garante vaga no Mundial do Chile

Brasil Sub-17 garante vaga no Mundial do Chile

Créditos: CBF

Time posado antes de enfrentar o Uruguai

Time posado antes de enfrentar o Uruguai

Créditos: CBF

Brasil Sub-17 derrota o Equador por 2 a 1

Brasil Sub-17 derrota o Equador por 2 a 1

Créditos: CBF

Time posado antes de enfrentar a Argentina

Time posado antes de enfrentar a Argentina

Créditos: CBF

Brasil vence Peru por 3 a 0 e está na fase final

Brasil vence Peru por 3 a 0 e está na fase final

Créditos: CBF

Time posado antes de enfrentar a Venezuela

Time posado antes de enfrentar a Venezuela

Créditos: CBF

Seleção Sub-17 empata em 2 a 2 com o Paraguai

Seleção Sub-17 empata em 2 a 2 com o Paraguai

Créditos: CBF

Naturalmente, a conquista de um título é recheada de histórias e situações que marcam a caminhada rumo à glória. Como foram 42 dias de convocação, seria impossível repassar aqui todas estas lembranças. No entanto, jogo a jogo, o site CBF destaca abaixo aquele detalhe que pode passar despercebido para quem assiste de casa, mas que constroem a marca de um time vencedor.

Brasil 3 x 2 Colômbia - Evander atleta

Foi estreia e o Brasil fez três gols. Chegou a estar vencendo por 3 a 1, de virada, mas sofreu um gol e teve de resistir à pressão no final. Mas o lance emblemático daquela partida foi do atacante Evander. Uma jogada que já começou bem, com um passe em profundidade para Leandro e uma arrancada. E que arrancada! Mais de 60 metros depois, lá estava ele para completar o que começou. É a síntese de um atleta que se alimenta corretamente, se entrega nos treinos e segue à risca o que é passado pela comissão técnica. 

Brasil 2 x 2 Paraguai - Um degrau a mais na formação

Teve de tudo. Futebol bonito, gols, perda de concentração, empate e pressão. Muita pressão. O acanhado estádio de Capiatá, com capacidade para cerca de cinco mil torcedores, estava lotado para ver o time da casa derrotar o favorito. Fogos de artifício na entrada, batuque incessante vindo da arquibancada, vaias... Não teve vitória no campo, mas teve muita experiência para a carreira dos meninos.

Brasil 2 x 3 Venezuela - Quatro noites sem dormir

Toda derrota dói. Algumas doem muito. Por estar ganhando por 2 a 0 e dominando o jogo, a derrota para a Venezuela machucou. Ainda mais porque significou uma semana tensa, ainda sem a vaga no hexagonal final garantida. Poucos na delegação conseguiram dormir bem naquelas quatro noites até o jogo contra o Peru. Mais aprendizado. Para todos.

Brasil 3 x 0 Peru - Três vezes Leandro

Se alguém tinha dúvida, ela foi embora nesta noite. A camisa 10 do Brasil estava muito bem entregue. Quase sempre calmo, sereno, de poucas palavras, Leandro mostrou em campo o tamanho do problema que representa para seus adversários. De quebra, pulou na frente na briga pela artilharia. Há que se destacar também Marco Tulio. O mineirinho de sorriso fácil mudou o jogo e ficou claro que o elenco brasileiro era forte.

Brasil 0 x 1 Argentina - Quem não faz, leva

Talvez tenha sido o melhor primeiro tempo da Seleção Brasileira em toda a competição. Com um futebol vistoso, passes certeiros e muito volume de jogo, o Brasil criou mais de 10 oportunidades claras de gol. Não fez. A Argentina, encurralada, teve apenas uma. Fez. 

Brasil 2 x 1 Equador - Humildade como palavra chave

Difícil ver alguém apontando o Equador como favorito em qualquer competição de futebol no mundo. Mas o segredo do Brasil para enfrentar este time foi justamente esse. Esquecer o peso da camisa, reconhecer a qualidade da outra equipe, considerada por muitos a de melhor futebol no torneio juntamente com o Brasil, e jogar bola. Ah, um golaço de falta do Lincoln também ajudou.

Brasil 3 x 2 Uruguai - A batalha de Capiatá

Um clássico sul-americano típico. Brigas em campo, insultos da arquibancada, provocações mútuas entre os jogadores. Quem viu este jogo não se arrependeu por nada. Brasil sai na frente, Uruguai empata. Brasil passa a frente de novo, Uruguai empata outra vez. Hoje não vai dar. Era essencial vencer, mas não vai dar. Deu! Na vontade, na garra e na emoção, que explodiu com o apito final. Jogadores e comissão técnica num só grito: "sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor. Respeita".

Brasil 3 x 2 Paraguai - Papo com Chris Gardner

Nos corredores do Hotel Bourbon, onde se concentrou a Seleção Sub-17, caminhava o empresário Chris Gardner. Sujeito simples, acessível e solícito, aceitou de pronto quando foi convidado para bater um papo com os jogadores brasileiros. Para quem não sabe, sua história foi retratada no filme "À procura da felicidade", estrelado pelo ator americano Will Smith. Depois de ser largado pela esposa, ser despejado de casa, ficar sem dinheiro para comida e sozinho no mundo com seu filho, com quem chegou até a dormir em banheiros públicos, ele deu a volta por cima e hoje tem uma poupança de quase um bilhão de dólares. Seu recado? "Acreditem no Plano A de vocês. Trabalhem forte, todos os dias, não tem outra receita para o sucesso. O descanso é para os outros."

Brasil 0 x 1 Colômbia - 90 minutos para soltar o grito

No vestiário antes da partida, já campeão, os jogadores seguraram a comemoração. Sabiam que precisavam de seriedade e humildade para não entrar em campo desconcentrados. Mas foi difícil segurar. Eles bem que tentaram, buscaram o gol, mas o mais importante viria depois. O título já era nosso. Agora, pode comemorar à vontade.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira