Baú da Seleção: Luciano lembra Pan de 2015 e trabalho com Micale

Baú da Seleção: Luciano lembra Pan de 2015 e trabalho com Micale

Medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2015, atacante foi artilheiro e viveu início do trabalho de Rogério Micale até o ouro na Rio 2016

Brasil x Panamá - Pan 2015 Brasil x Panamá - Pan 2015
Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

Luciano lembra bem dos dias em Toronto, no Canadá, em 2015. Há cinco anos, o atacante fez parte do grupo que conquistou a medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos, fato que marcou o início da trajetória até o ouro Olímpico inédito no Rio de Janeiro no ano seguinte. Artilheiro daquela edição da competição, ele viveu momentos marcantes e guardou memórias do trabalho com o técnico Rogério Micale.

Autor de cinco gols ao longo da disputa, ele foi responsável pelos dois mais importantes, incluindo um na prorrogação, na decisão do terceiro lugar contra o Panamá, que terminou em 3 a 1. No Baú da Seleção desta terça-feira, Luciano falou com exclusividade ao site da CBF sobre aquele torneio e as lembranças que trouxe, mostrando ainda o quadro que guarda com a camisa e a medalha do Pan.

"Todos os momentos dentro da competição foram especiais. Desde a convocação, a viagem, os treinos, a primeira partida. Tenho recordações de todos esses momentos e elas são felizes. Tínhamos um grupo de jogadores qualificado, nos dávamos bem e o ambiente era tranquilo. Fomos em busca da medalha de ouro, mas acabamos sendo eliminados na semifinal para a seleção do Uruguai que vinha muito forte também, e no final eles foram os primeiros colocados. Em particular, meu momento especial foi conquistar a artilharia isolada da competição. Consegui ajudar meus companheiros com cinco gols e algumas assistências. O Pan foi muito importante para meu crescimento como jogador profissional e, naquele ano, participei da conquista do Campeonato Brasileiro pelo Corinthians", lembrou.

A partida de abertura foi contra os donos da casa no dia 12 de julho de 2015. O autor do primeiro gol brasileiro foi justamente Luciano, que balançou as redes aos 7 minutos. Ele voltou a marcar contra o Panamá, mesmo adversário da disputa de terceiro lugar, na última rodada da fase de grupos, fazendo dois gols. Por fim, mais dois no duelo de despedida. Mesmo jogando longe de seu país, a Seleção Brasileira sempre é bem recepcionada e no Canadá não foi diferente. Apesar de vencidos pelo Brasil na estreia, os canadenses apoiaram o Brasil durante o torneio.

"No geral era um contato com muito carinho e afeto. Os canadenses nos acolheram super bem e depois de enfrentá-los no primeiro jogo, eles nos apoiaram no restante da competição. Inclusive foi nessa partida de estreia que marquei meu primeiro gol no Pan-Americano. É um país muito acolhedor, com uma cultura muito bonita. Foi uma experiência muito bacana ver o envolvimento de todos nos jogos, pois em diversas modalidades eles tinham atletas e apoiavam muito", disse.

Daquele time que disputou os Jogos em 2015, o zagueiro Luan foi o único a estar presente na lista final de Rogério Micale, que também seguiu o trabalho, durante os Jogos Olímpicos em 2016. Entretanto, todas as etapas até aquela final no Maracanã foram importantes e fundamentais para que o resultado viesse. Para Luciano, o sentimento é de que ele faz sim parte disso.

"O Micale montou o grupo, treinou no Pan-Americano e, no ano seguinte, conquistou o Ouro Olímpico. O trabalho dele sempre veio com muita cobrança, seriedade e isso fez com que ele seguisse e conquistasse coisas maiores pelo Brasil. Ali ele pôde ver como implantar a sua filosia de trabalho, táticas e jogadas. Gostaria muito de participar ativamente da conquista do Ouro, mas acredito que faça parte do início do projeto dessa conquista", concluiu o atacante.

Brasil x Panamá - Pan 015 Brasil x Panamá - Pan 015
Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports