Baú da Seleção: Campeão mundial Sub-20, goleiro Gabriel Vasconcelos relembra conquista com carinho

Baú da Seleção: Campeão mundial Sub-20, goleiro Gabriel Vasconcelos relembra conquista com carinho

Camisa 1 exalta grande atuação contra a Espanha, recorda a primeira convocação para a Seleção Principal e guarda as lembranças físicas das conquistas

Gabriel Vasconcelos mostra camisa usada no Mundial Sub-20 em 2011 Gabriel Vasconcelos mostra camisa usada no Mundial Sub-20 em 2011
Créditos: Arquivo Pessoal

A geração campeã da Copa do Mundo Sub-20 de 2011 revelou grandes nomes do nosso futebol. O time que venceu o Sul-Americano da categoria no mesmo ano marcou a história conquistando o pentacampeonato mundial no torneio disputado na Colômbia. Naquela ocasião, a Canarinho foi representada por diversos jovens craques. No entanto, o camisa 1 ganhou notoriedade após defesas memoráveis. Nosso personagem em questão é Gabriel Vasconcelos, goleiro que possui no currículo diversos títulos e uma medalha olímpica.

Os objetos guardados têm imenso valor emocional para Gabriel. Na sua coleção estão luvas, camisas e medalhas, mas sem dúvidas existem as peças favoritas. Um fato curioso revelado pelo atleta é o paradeiro da sua medalha de prata conquistada nos Jogos Olímpicos de Londres em 2012. A equipe do site da CBF conversou com jogador e ele pôde recordar o passado para o Baú da Seleção.

"A Olimpíada de Londres foi uma experiência maravilhosa, acho que todo atleta sonha um dia poder participar dos Jogos Olímpicos e eu tive essa honra. Porém, a medalha está com a minha mãe. Ela é muito coruja e tem o prazer de estar com a medalha, por isso eu deixei. Eu também tenho a camisa da minha primeira convocação para a Seleção Sub-18, quando nós fomos jogar um torneio na África do Sul. Outro objeto que eu guardo com muito carinho é a camisa da final do mundial, quando fomos campeões ao vencer Portugal por 3 a 2", revelou Gabriel.

A conquista do Mundial Sub-20, em especial, foi muito importante para Gabriel. Nas quartas de final do torneio, o Brasil enfrentou a Espanha, que estava em sua maior fase de vitórias com a implementação do famoso “tiki-taka” no seu estilo de jogo. Após uma partida muito disputada no tempo normal e na prorrogação, o duelo foi para a disputa de pênaltis. E foi neste momento que a estrela do camisa 1 brilhou mais forte, com duas defesas que deram a vaga para a Seleção.

"O Mundial Sub-20 foi um torneio maravilhoso, porque todos nós éramos jovens, e enfrentamos os melhores atletas - da nossa idade - de diferentes seleções de todo o mundo. Lembro que a Seleção Brasileira sofreu bastante com o estilo de jogo espanhol de posse de bola, de dominar o adversário. Foi um duelo bastante complicado, onde conseguíamos decidir em jogadas individuais. O Brasil sempre teve a característica de ter muito jogadores com qualidade e decisivos, e naquela Seleção tínhamos o Dudu, o Philippe Coutinho, entre outros, que possuíam este fator essencial. Nós levamos o jogo para os pênaltis e eu tive a felicidade de defender duas cobranças. São memórias marcantes que eu vou carregar para o resto da vida", contou o camisa 1.

Objeto de orgulho para Gabriel Objeto de orgulho para Gabriel
Créditos: Arquivo Pessoal

A primeira convocação para Seleção Principal aconteceu quando o jogador ainda atuava na base do Cruzeiro. O atleta estava convocado para a Seleção Sub-20 que iria disputar um torneio no Japão, quando recebeu a notícia de que o técnico da Seleção Principal, Mano Menezes, o havia chamado. O episódio é relembrado com graça por Gabriel, que achou inusitada a possibilidade de uma história parecida acontecer novamente.

"O Gomes se lesionou e o Mano decidiu convocar o goleiro da Seleção Sub-20, que era eu. Foi surpreendente e até engraçado, porque eu fui chamado para a Seleção Principal sem estar no time principal do Cruzeiro. Foi uma situação muito atípica e de muita felicidade, porque todo mundo ficou sem entender", declarou Gabriel.

O início da trajetória de Gabriel no futebol, porém, não foi dos mais fáceis. A glórias e conquistas viriam após muito suor e trabalho. Natural do pequeno município de Unaí, no interior do estado de Minas Gerais, o atleta pensou em desistir do sonho de jogar bola após trocar as quadras pelos gramados de futebol. Gabriel sentiu-se frustrado com o caminho que sua jornada seguia. Foi neste momento de indecisão que a mãe não permitiu que o filho desistisse.

"Eu não tive uma infância fácil, mas graças a Deus a minha mãe estava comigo. Quando eu entrei no Cruzeiro, aos 13 anos, era o sexto goleiro. Foi bastante frustrante, porque eu fiz toda a minha formação no futsal. Quando eu fui para o campo tive dificuldades, porque os movimentos eram diferentes. Eu tive um treinador de goleiro que era bastante duro comigo, parecia até que era uma coisa pessoal. Eu ligava para a minha mãe e falava: 'Mãe, ele só está me xingando e eu recebo críticas'. Minha mãe respondia: 'Filho, se é isso que você quer, aguenta firme e vai em busca dos seus sonhos e dos seus objetivos'. Eu continuei e fui subindo até ser o goleiro titular na época do juvenil, podendo fazer com que a minha história começasse", relatou com emoção.

Hoje, Gabriel está no Lecce e tem sólida carreira na Itália, passando por grandes clubes no país. Durante o Mundial Sub-20 em 2011 chegaram as primeiras propostas para o futebol europeu. Olheiros do Milan, que atuavam no campeonato, se encantaram com as defesas do jovem goleiro e o indicaram para diretoria do clube. Gabriel Vasconcelos fala com carinho dos momentos vividos na Seleção, e afirma que as vitórias com a Amarelinha foram fundamentais para a consolidação do seu trabalho.

"A palavra 'Seleção' é marcante e especial para mim. Eu acredito que para todos os atletas brasileiros, pois o carinho é muito grande. Eu lembro da primeira convocação, da sensação inexplicável após vestir a camisa da Seleção, e logo depois veio a Granja Comary com as resenhas, todos estes momentos são maravilhosos e experiências marcantes na minha vida. A Seleção teve papel fundamental na minha carreira. Ela é fantástica, é um objetivo, um sonho de todo menino. Quem chega na Seleção tem que se sentir muito honrado e valorizado, porque é muito difícil. O Brasil sempre teve muito talento e qualidade nos seus atletas, então os que chegam são vencedores", afirmou Gabriel Vasconcelos.

Através de depoimentos, objetos e lembranças compartilhados pelos próprios atletas, o site da CBF relembra conquistas das Seleções Masculinas e Femininas, de base e profissional, através do Baú da Seleção. Toda terça-feira algum personagem que brilhou com camisa Amarelinha aparece por aqui com alguma história inédita. Continue ligado!

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports