Tarciane celebra os dois gols na estreia do Sul-Americano: ‘Feliz por ajudar a Seleção’

Tarciane celebra os dois gols na estreia do Sul-Americano: ‘Feliz por ajudar a Seleção’

Defensora demonstrou repertório e segurança para construir a vantagem brasileira

No Estádio Nicolás Chahuán Nazar, Brasil estreou na competição sul-americana diante do Uruguai No Estádio Nicolás Chahuán Nazar, Brasil estreou na competição sul-americana diante do Uruguai
Créditos: Staff Images Woman/CONMEBOL

A vitória da Seleção Feminina Sub-20 sobre o Uruguai na estreia do Campeonato Sul-Americano passou pelos pés e pela cabeça de Tarciane. Se as adversárias levavam pouco perigo à defesa brasileira, também davam muito trabalho ao ataque canarinho. A equipe criava muitas chances, mas parava na muralha celeste.

As boas defesas da goleira Vanina mantiveram a igualdade no placar até os 16 do segundo tempo. Analuyza foi derrubada dentro da área e Tarciane, em cobrança de pênalti indefensável, chutou forte na lateral da rede para colocar o Brasil à frente. Três minutos depois, em cobrança de escanteio de Ana Clara, a zagueira artilheira subiu mais que a marcação e fechou a conta.

“A gente fica muito feliz, porque trabalhamos muito a cada convocação, a cada preparação. Sabíamos que seria difícil, mas viemos para cá para jogar, com a cabeça no lugar, e dar o nosso melhor. Fico muito feliz por ajudar minha equipe, por ajudar a Seleção Brasileira com esses dois gols e representar meu país”, comemorou Tarci, cujo amor pelo esporte vem de outros carnavais.

“Eu sempre quis jogar futebol. Minha inspiração era meu irmão, que jogava na mesma posição que eu. Eu sempre ia assistir aos jogos e treinos dele e acabei criando uma paixão pelo futebol. Sempre foi o meu sonho. Já estava no sangue”, lembrou.

No Estádio Nicolás Chahuán Nazar, Brasil estreou na competição sul-americana diante do Uruguai. Tarciane No Estádio Nicolás Chahuán Nazar, Brasil estreou na competição sul-americana diante do Uruguai. Tarciane
Créditos: Staff Images Woman/CONMEBOL

Apesar da pouca idade, Tarciane já tem alguma experiência no esporte. Aos 13 anos, ela entrou no projeto social Daminhas da Bola, em Duque de Caxias (RJ), e no ano seguinte já estava convocada para a Seleção Feminina Sub-17. A zagueira foi lapidada nas categorias de base do Fluminense e, aos 18, já integra o grupo profissional do Corinthians. 

“Minha primeira convocação ocorreu quando eu tinha 14 anos. Eu vinha de um projeto social e era a única menina lá. Fui convocada várias vezes para a Sub-17, mas ainda não participava das competições por ser muito nova. Continuei vindo para a Seleção, participei de jogos preparatórios e tive minha primeira oportunidade na Sub-20 assim que encerrei o ciclo na Sub-17”, contou, detalhando a adaptação à nova categoria.

“Eu já jogava no profissional do Fluminense, mas dividia com a base. Agora fui para o Corinthians e meu foco lá é só o profissional. É muito diferente, claro, é um jogo mais rápido e mais duro também. Na base, a gente conseguia sair da marcação com mais facilidade. No profissional, esses momentos do jogo variam mais também”, avaliou.

A Seleção Feminina Sub-20 volta a campo neste sábado, às 20h30 (horário de Brasília), contra a Bolívia, pela segunda rodada do Campeonato Sul-Americano. A partida ocorre no Estádio Nicolás Chahuán Nazar, em La Calera, no Chile, e será transmitida pelo SporTV.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira