Jonas Urias elogia preparação da Seleção Feminina Sub-20 e mira título da Copa do Mundo

Jonas Urias elogia preparação da Seleção Feminina Sub-20 e mira título da Copa do Mundo

Após convocação, treinador falou sobre novas atletas na lista, esclareceu sobre estilo de jogo e garantiu ser uma competição totalmente diferente do Sul-Americano conquistado de forma invicta

Jonas Urias convoca a Seleção Feminina Sub-20 para o Mundial da categoria Jonas Urias convoca a Seleção Feminina Sub-20 para o Mundial da categoria
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

A Seleção Feminina foi convocada para a Copa do Mundo Feminina FIFA Sub-20 Costa Rica 2022. Nesta quarta-feira (27), o treinador Jonas Urias anunciou as 21 atletas que farão parte do torneio, que acontecerá entre os dias 10 e 28 de agosto nas cidades de San José e Alajuela. Em busca do título inédito, o Brasil enfrentará Austrália, Costa Rica e Espanha na fase de grupos.

Em coletiva após a convocação, o comandante falou sobre as principais diferenças entre a disputa de uma Copa do Mundo e do Sul-Americano Feminino Sub-20, que a Canarinho conquistou de forma invicta este ano.

"Os desafios são diferentes. O rendimento que nos levou ao título Sul-Americano não nos garante sucesso na Copa do Mundo. Sabemos que são escolas distintas, o nível do futebol feminino de base em outros países é diferente. Tudo isso exige uma performance muito maior. Mas não estamos sendo pegos de surpresa quanto a isso. No período antes da preparação do Sul-Americano já trabalhávamos para isso, porque sabíamos que teríamos pouco tempo para treinar. Exigimos o máximo de nossas atletas. Mesmo que se pudesse vencer de uma forma mais "relaxada", nós cobrávamos empenho. São desafios maiores, temos noção de onde o Brasil está posicionado no futebol feminino de base. Nosso objetivo é ser competitivo. Se conseguirmos, tenho certeza que conseguiremos conquistar grandes coisas dentro da competição", destacou.

Urias também comentou sobre a sensação de disputar uma competição tão importante como a Copa do Mundo Feminina FIFA Sub-20 Costa Rica 2022 e revelou o estilo que o Brasil deve atuar em seus duelos.

"A sensação individual é algo que só vamos descobrir de fato quando pisarmos em campo. É uma experiência que todos os profissionais que estão no esporte sonham em ter. Confesso que, nesse momento, quando penso na Copa do Mundo, penso apenas nas jogadoras. Todas aquelas que ajudaram e que construíram isso juntas. Serão delas que lembrarei caso conquistemos o nosso sonho, que é o título", começou dizendo.

"Quanto ao nosso estilo, o ataque rápido e o jogo mais direto fazem parte da identidade do futebol brasileiro. Esse estilo mais desafiador, mais confiante, que a solução individual combina com o jogo em grupo, em dupla, em trio... Vai ser essencial. Mas uma defesa sólida é essencial para conquistarmos o Mundial. Isso é citado inclusive pela Pia e pela Lilie, que estiveram presentes nas últimas competições disputadas pela Seleção. Elas falam sobre isso. O Brasil tem talento individual, mas faltava essa questão defensiva. A gente é fissurado por futebol feminino, então assistimos todos os jogos com afinco. Estamos sempre antenados para trazermos questões para discutirmos com nossas atletas e construirmos juntos novas pontes para alcançarmos as vitórias. Mas reforço que, na base, é muito importante valorizarmos o futebol brasileiro. Acho que temos que estar ligados às novas tendências do futebol, mas sem esquecer das nossas raízes, da nossa identidade, que é o que faz o futebol brasileiro ser reconhecido no mundo. O futebol brasileiro é a nossa identidade", completou.

Jogo-treino da Seleção Feminina Sub-20: Brasil x Flamengo Seleção Feminina Sub-20 enfrentou o Flamengo na Granja Comary, em Teresópolis/RJ
Créditos: Adriano Fontes/CBF

Em relação aos adversários, o treinador lamentou não ter conseguido enfrentar seleções internacionais, mas elogiou o nível de Flamengo e Palmeiras, que se deslocaram até a Granja Comary, em Teresópolis (RJ), para disputar jogos-treinos. Para Urias, a preparação foi feita com o que era possível no momento.

"Sabemos que enfrentar adversários internacionais é uma das partes fundamentais para a evolução da Seleção, para a busca do mais alto nível. Vemos isso pela Seleção Feminina Principal. A cada jogo contra times de alto nível é possível notar a evolução da equipe. Gostaríamos de ter feito mais amistosos, mas pelo que foi possível fazer, tiramos um bom proveito. Fizemos o que estava ao nosso alcance no momento. Tivemos dois jogos-treinos contra equipes de topo do Brasil, que são Palmeiras e Flamengo, no início do ano medimos forças com Corinthians e Red Bull Bragantino, além de enfrentarmos meninos, que nos exige um nível físico mais alto, uma excelência, regularidade... com o que tivemos em mãos, fizemos bom proveito, mas destaco a importância de jogos internacionais... a gente espera que, no dia 5, contra a Nova Zelândia, possamos suprir essa ausência. Será o último confronto antes da estreia contra a Espanha", pontuou.

"Fomos privilegiados por escolhermos excelentes adversários, mas eles também colaboraram. Tanto Flamengo quanto Palmeiras se disponibilizaram a ir até a Granja Comary, num momento de pausa do Campeonato Brasileiro, sem algumas atletas por conta da Copa América... e mesmo assim fizemos dois grandes jogos. As atletas realmente sentiram a diferença e a gente pôde analisar que isso estaria por vir. Propositalmente escolhemos adversários de estilos diferentes. Uma Espanha, por exemplo, tem um jogo muito mais de posse de bola, enquanto a Austrália é um jogo mais físico, direto, corpo a corpo... então temos que encontrar soluções para enfrentar equipes de todos os perfis. Além de ficarmos felizes com o resultado, ficamos ainda mais contentes com o desempenho da equipe, que foi refletido no placar final", analisou.

Questionado sobre a mudança de categoria de algumas jogadoras, principalmente Gio Queiroz, que está com a Seleção Feminina Principal para a disputa da CONMEBOL Copa América Feminina Colômbia 2022, Jonas Urias destacou a importância da atleta e disse que a oscilação entre categorias é normal.

"A Gio Queiroz é uma atleta que tem estado com a Seleção Principal há bastante tempo, desde antes das Olimpíadas de Tóquio. Jogadoras que atuam em campeonatos de altíssimo nível, como o Campeonato Espanhol, com certeza podem agregar muito numa Copa do Mundo. Ela tem estado muito presente no trabalho da Pia. A gente tem um alinhamento em relação ao jogo. Convivemos diariamente e conversamos sobre essas jogadoras que transitam entre as categorias, como elas podem contribuir e em qual estágio estão para desempenhar bem e seguirem se desenvolvendo. Vemos essa convocação como algo positivo para todos. Para ela, por seguir seu desenvolvimento no mais alto potencial. Para nós, por agregar ao nosso trabalho. Sei que será muito especial. Todos estamos muito confiantes com a vinda dela", destacou o comandante, que também aproveitou para explicar a diferença entre a lista do Sul-Americano e da Copa do Mundo.

"Nas categorias de base, é importante reforçarmos que o desempenho das atletas em formação é muito oscilatório. São jogadoras que se adaptam diante de novos cenários. Quando elas sobem uma categoria, as adversárias são melhores, assim como as companheiras. Elas tem que se readaptar o tempo inteiro ao nível que estão sendo desafiadas, em qual categoria forem. Nós temos que, dentre todos os critérios, pensar em como está o momento de cada uma. Todas que passam pela seleção tem um potencial para serem excelentes jogadoras no futuro, mas temos que pensar no momento. A diferença na lista do Sul-Americano vem nessa linha. Tem atletas que não haviam se destacado ainda, mas que evoluíram muito. Todas que estão aqui mereceram essa oportunidade e fizeram por onde", complementou.

Estreia da Seleção Feminina Principal na Copa América: Brasil x Argentina (Colômbia). Giovana Queiroz Gio Queiroz está com a Seleção Principal na disputa da CONMEBOL Copa América Feminina
Créditos: Thais Magalhães/CBF

Por fim, o técnico elogiou a geração de jogadoras brasileiras e garantiu que a idade das atletas convocadas não será um problema, uma vez que a adaptação e o nível delas são muito altos.

"Talvez, na história da Seleção de base, nas disputas de Copas do Mundo, tenho certeza que é a geração com mais jogadoras atuando em nível profissional em seus clubes. Isso agrega competitividade, laços competitivos que vão contribuir para um desempenho melhor. Existem inúmeros outros fatores, mas estarem jogando e convivendo diariamente com atletas de alto nível é de extrema importância. Uma jogadora do São Paulo, por exemplo, vai ouvir dicas da Formiga... então, são situações que vão agregando no futebol das nossas meninas e o nível delas vai crescendo. Não é algo palpável, talvez elas nem sintam isso, mas com certeza irá aparecer em cada lance e situação que viveremos".

"Em relação a Aline, trabalhamos não só com ela, mas com a Dudinha e a Carol Firmino, que acabou sofrendo uma lesão no ombro e ficou de fora da nossa última preparação. As duas convocadas são atletas que se destacaram muito no Sul-Americano Sub-17, vêm se destacando nos campeonatos de base pelos seus clubes, receberam essa primeira oportunidade após o Sul-Americano e foram muito bem. De fato, são jogadoras que se adaptam muito rapidamente e desempenham em um nível que as permite estar numa categoria acima sem que haja prejuízos. Mas reforço que são atletas de Seleção Brasileira, então esperamos que essa experiência na Copa do Mundo faça com que elas desempenhem ainda melhor quando forem para a Sub-17", finalizou.

PATROCINADORES

Seleção Brasileira