Baú da Seleção: Herói da final, Andrey relembra Mundial Sub-17 ao lado de Ronaldinho no Egito

Baú da Seleção: Herói da final, Andrey relembra Mundial Sub-17 ao lado de Ronaldinho no Egito

Lateral-direito da campanha abre o baú de lembranças e compartilha fotos inéditas no Egito, relembra relação com o parceiro Ronaldinho Gaúcho e destaca que, quase 23 anos depois, continua se impressionando com o impacto do feito

Com a medalha no peito e a taça na mão, Andrey faz pose para foto com as famosas Pirâmides do Egito ao fundo Com a medalha no peito e a taça na mão, Andrey faz pose para foto com as famosas Pirâmides do Egito ao fundo
Créditos: Arquivo Pessoal

O sucesso do Brasil em Campeonatos Mundiais não é uma exclusividade da categoria profissional. A Seleção Brasileira também acumula ótimos resultados no futebol de base. Na Sub-17, por exemplo, a Canarinho é tetracampeã mundial. O último título foi no ano passado, conquistado em território nacional. Mas você lembra como foi a primeira destas conquistas? Aconteceu há quase 23 anos, no ano de 1997, no Mundial do Egito. A geração que contava com ninguém menos que Ronaldinho Gaúcho garantiu a primeira glória intercontinental da categoria em uma final emocionante, que teve Andrey como protagonista. 

Autor do gol do título, o lateral-direito daquela Seleção Brasileira Sub-17 conversou com a equipe do site da CBF e abriu o baú de lembranças do Mundial Sub-17 de 1997 para reviver a conquista. Andrey compartilhou uma imagem da medalha de campeão, guardada com carinho até hoje, fotos inéditas do grupo e passagens muito especiais vividas no Egito. O ex-atleta, que hoje atua como auxiliar-técnico da equipe Sub-20 do Audax-SP, revela que ainda se impressiona com a dimensão do gol que marcou.

– É surreal, nunca imaginei que fosse acontecer. Você sonha, mas quando acontece... É diferente. Eu me pergunto até hoje sobre o fato de ter sido tão marcante. Houve outras Seleções que conquistaram a competição, tivemos outros três títulos depois, e eu não sei se foi porque o jogo foi num domingo, às 12h no Brasil, e foi a primeira conquista... Mas muita gente acompanhou a partida. Até hoje, em vários lugares em que eu vou, as pessoas falam: - Ah, é o Andrey da Sub-17. É um lance que marcou muito a minha carreira, todos os clubes em que passei lembraram disso e me abriu portas. Mas é muito louco. Tem mais de 20 anos e as pessoas ainda lembram com detalhes, como se fosse uma Copa profissional – declarou.

Andrey guarda com carinho a medalha conquistada em 1997 no Egito Andrey guarda com carinho a medalha conquistada em 1997 no Egito
Créditos: Arquivo Pessoal

Já campeões, os jovens da Seleção Brasileira tiveram a oportunidade de ficar mais um dia no Egito para um passeio pelas famosas Pirâmides. Mesmo a muitos de quilômetros de distância de casa, a garotada mostrou ao mundo como é uma verdadeira comemoração brasileira. Com pandeiro, cavaco e tudo que tem direito, o grupo escolheu a canção "Louca Paixão", sucesso do grupo Exaltasamba nos anos 1990, para deixar a visita ainda mais animada. No cenário de mais de cinco mil anos de existência e entre os cartões postais mais famosos do planeta, o futebol brasileiro alcançava o topo do mundo.   

– A gente jogou num dia 21, se não me engano, e ninguém dormiu depois da final, né? No dia seguinte fomos conhecer as Pirâmides. O Marcos Uchôa (repórter da TV Globo que estava fazendo a cobertura da competição) acompanhou a gente na visita e registrou o que foi uma verdadeira festa. Tocamos um samba lá nas pirâmides. Foi uma visita muito divertida e inesquecível. Não tinha internet, redes sociais e tudo o que temos hoje. Então, ainda não tínhamos a real dimensão da repercussão da conquista. Me lembro que fazíamos fila no único celular que tinha com o grupo para ligar para a família depois dos jogos. Mas quando chegamos ao Brasil, a festa continuou – destacou. 

Grupo da Seleção Brasileira Sub-17 fez passeio pelas Pirâmides no Egito no dia seguinte ao título do Mundial de 1997 Grupo da Seleção Brasileira Sub-17 fez passeio pelas Pirâmides no Egito no dia seguinte ao título do Mundial de 1997
Créditos: Arquivo pessoal

Dentro de campo a Seleção "jogava por música", como se diz na gíria do futebol. Até chegar a final, onde derrotou a forte seleção de Gana, de virada, por 2 a 1, o Brasil teve ótimo aproveitamento na fase de grupos, com três vitórias tranquilas: 7 a 0 sobre a Áustria na estreia, 3 a 0 nos Estados Unidos e 3 a 1 diante de Omã. O show continuou no mata-mata, com 2 a 0 sobre a Argentina nas quartas e 4 a 0 diante da Alemanha na semifinal. Andrey acredita que a campanha tão sólida seja fruto de uma preparação forte. Ele revela ter percebido neste período de testes um fato que seria importantíssimo para a conquista: o surgimento de um dos grandes craques da história do futebol. 

– A comissão técnica, através do nosso treinador Carlos César, que foi fantástico no comando, passava para nós a importância da preparação para enfrentar equipes da Europa e da África. Então, nós fizemos várias viagens para enfrentar diferentes adversários. E o Ronaldo... É fácil falar dele. Fomos convocados pela primeira vez juntos. O primeiro jogo foi em Glasgow, na Escócia, diante do time da casa. Um frio tremendo, nós com apenas 14 anos, e acabamos perdendo por 1 a 0. Na partida seguinte, contra a Inglaterra, em Wembley, o clima estava mais ameno e o Ronaldinho foi absurdo. Ele abusou da habilidade! Deu caneta, chapéu, tocava virando a cara... Tudo isso com apenas 14 anos. E já vimos o talento que ele tinha. Depois, quando fomos treinar na Granja Comary, tivemos a certeza do dom nato que ele tinha. Como defensor, me lembro que ninguém queria marcá-lo nos treinos (risos). É um cara super gente boa e foi muito importante na conquista, o nosso melhor jogador. A gente sabia que era questão de tempo para ele chegar na Seleção principal – acrescenta Andrey ao lembrar do parceiro Ronaldinho Gaúcho.

Ronaldinho Gaúcho deu ótima enfiada de bola para Andrey dominar e marcar o gol da virada para o Brasil na decisão Ronaldinho Gaúcho deu ótima enfiada de bola para Andrey dominar e marcar o gol da virada para o Brasil na decisão
Créditos: FIFA

Uma campanha invicta e tão marcante, com 21 gols marcados e apenas dois sofridos em seis partidas, só seria possível para uma equipe formada por grandes jogadores. Andrey destaca que a conquista abriu os caminhos de carreiras vitoriosas, pois muitos dos atletas tiveram destaque na sequência atuando em grandes clubes do futebol brasileiro, como o próprio lateral, que defendeu times como São Paulo e Flamengo, e no exterior. O ex-atleta revelou ainda que o entrosamento entre o grupo é o mesmo 23 anos depois da conquista.  

– Muita gente teve carreira sólida e jogou em time grande. Giovanni jogou no Benfica, Barcelona. O Fábio, que está há tanto tempo no Cruzeiro, era o nosso goleiro. Flavinho, Fernandão, Ferrugem, Gavião... Jorginho Paulista ganhou muitos títulos no Brasil, depois jogou no Boca (Juniors-ARG). O Matuzalém jogou anos na Itália... Enfim, era uma Seleção muito forte e tinha uma turma muito boa. Era um ambiente espetacular, tanto que temos contato até hoje, através de um grupo de Whatsapp, e estamos sempre falando por ali. Temos duas pessoas que não estão mais com a gente, infelizmente, que são o Jorginho, que era massagista do Flamengo e faleceu recentemente, e o professor Alexandre Revoredo, que era o nosso preparador de goleiros. Mas lembramos deles com alegria. Essa é a nossa primeira grande conquista, por isso é tão marcante – finalizou. 

Festa da delegação continuou no desembarque no Brasil com a então inédita taça na bagagem Festa da delegação continuou no desembarque no Brasil com a então inédita taça na bagagem
Créditos: Arquivo pessoal

Sob o comando do técnico Carlos César, o Brasil disputou a Copa do Mundo Sub-17 em 1997, no Egito, com um grupo de 18 atletas formado por: Fábio, Andrey, Rogério, Fernando, Abel, Jorginho Paulista, Diogo Rincón, Ferrugem, Fábio Pinto, Ronaldinho Gaúcho, Matuzalém, Raniere, Flávio, Henrique, Gavião, Adiel, Geovanni e Anaílson. 

Garotada brasileira comemora a conquista no gramado do Estádio Internacional do Cairo Garotada brasileira comemora a conquista no gramado do Estádio Internacional do Cairo
Créditos: FIFA

Através de depoimentos, objetos e lembranças compartilhados pelos próprios atletas, o site da CBF relembra conquistas das Seleções Masculinas e Femininas, de base e profissional, através do Baú da Seleção. Toda terça-feira algum personagem que brilhou com camisa Amarelinha aparece por aqui com alguma história inédita. Continue ligado!

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports