50 anos do Tri: Brasil x Itália - Final da Copa do Mundo de 1970

50 anos do Tri: Copa do Mundo de 1970

Estádio Azteca, Cidade do México (MEX)) Domingo, 21 de Junho de 2020 12:00
Brasil

Brasil

Itália

Itália

Tricampeão!

50 anos do Tri: Brasil x Itália - Final da Copa do Mundo de 1970

Brasil supera a Itália no Azteca e comemora o primeiro tricampeonato da história da Copa do Mundo

A série "50 anos do Tri" relembra, em crônicas e reportagens, a conquista da Copa do Mundo de 1970 pela Seleção Brasileira. Serão várias publicações ao longo do mês de junho, que marca o aniversário do terceiro título mundial do Brasil.

É campeão! É tricampeão! Há exatos 50 anos, foram esses os gritos que se libertavam da garganta dos brasileiros. A Seleção derrotava a Itália por 4 a 1 e conquistava pela terceira vez a Copa do Mundo FIFA, em 1970. Os gols da partida foram marcados por Pelé, Gérson, Jairzinho e Carlos Alberto Torres. Boninsegna fez o gol de honra dos italianos no Estádio Azteca, na Cidade do México.

Com a conquista, o Brasil encerrou uma campanha de seis vitórias em seis jogos, tornando-se a primeira equipe a ter 100% de aproveitamento nas Eliminatórias e na Copa do Mundo. Além disso, também foi o primeiro time a chegar ao tricampeonato mundial, fato que lhe garantiu a posse definitiva da taça Jules Rimet. Além deste título, o Brasil foi campeão também em 1958 e 1962.

Com todos os jogadores disponíveis para a partida, Zagallo levou a campo o que tinha de melhor para a Seleção. A escalação foi a que mais se repetiu durante o Mundial, com o time-base formado por: Félix; Carlos Alberto Torres (c), Brito, Piazza e Everaldo; Clodoaldo e Gérson; Jairzinho, Pelé, Rivellino e Tostão.

Os italianos vinham de uma batalha histórica contra a Alemanha Ocidental na semifinal da Copa do Mundo. Altamente considerado um dos melhores jogos da história dos Mundiais, a partida terminou com triunfo da Azzurra por 4 a 3, após dois tempos extras. Os 90 minutos terminaram empatados em 2 a 2, a Itália chegou a sair na frente na prorrogação, sofreu novo empate e finalmente fez o gol da classificação, aos 114 minutos de partida.

Todo esse desgaste fez com que o Brasil chegasse à final com um pouco mais de disposição física. Além disso, a Itália é sempre um grande adversário, por sua escola tradicional de futebol, mas a Alemanha de Gerd Mûller e Franz Beckenbauer se apresentava como um dos melhores times do torneio.

A partida ainda marcou uma série de feitos individuais para a Seleção Brasileira. Jairzinho terminou o Mundial como vice-artilheiro, com sete gols, e se tornou o primeiro campeão a marcar em todos os seis jogos de sua seleção. Pelé voltou a marcar em uma final de Copa do Mundo e se tornou o único jogador três vezes campeão mundial da história. O Rei ainda terminou a competição com seis assistências, um recorde até hoje em passes para gol na mesma edição de um Mundial.

O jogo


Apesar do cansaço da semifinal, a Itália começou bem a partida no calor do Azteca. Em um início equilibrado, a Azzurra foi a primeira a finalizar na final da Copa do Mundo. A oportunidade surgiu logo aos dois minutos de jogo, em finalização de fora da área de Riva, que foi muito bem defendida por Félix.

Nos minutos seguintes, o Brasil ameaçou em duas cobranças de falta de Rivellino, mas a Patada Atômica não acertou em cheio nenhuma delas. Uma foi para fora e a outra para as mãos do goleiro Albertosi. Mas o arqueiro italiano não levaria tanta sorte na próxima chance.

O relógio marcava 17 minutos de jogo quando Tostão bateu lateral pela esquerda. Rivellino, de primeira, esperou a bola quicar para alçá-la na área. Era só o que ele precisava fazer. em meio aos gigantes italianos, Pelé, de 1,72 metro de altura, subiu muito e testou para o fundo da rede. Estava aberto o placar na Cidade do México.

Pelé comemora gol durante a Copa do Mundo de 1970 O Rei Pelé dá um soco no ar, sua comemoração característica
Créditos: Acervo CBF

Após o gol de Pelé, a Itália ficou um pouco atordoada em campo e deu espaço para o Brasil dominar mais a partida. Os italianos só voltariam à carga perto dos 30 minutos de primeiro tempo, em chutes de fora da área sem muito perigo. O jogo parecia controlado, mas nunca se pode subestimar a Itália em um jogo de Copa do Mundo.

Aos 37, em bola tocada por Brito, Clodoaldo tentou sair jogando com um toque de calcanhar para Everaldo, sem ver o companheiro. O meia também não enxergou a chegada de Roberto Boninsegna, que roubou a bola e, depois de dividida entre Félix e Brito, completou para o gol vazio: 1 a 1.

O Brasil quase desempatou a partida antes do intervalo. Na verdade, chegou a fazer o 2 a 1, quando Pelé dominou a bola dentro da área e chutou de bico para o fundo do gol italiano. Mas o juiz alemão Rudi Glockner anulou o tento, marcado aos 45:05 de jogo. O árbitro pegou a bola e saiu para o túnel, encerrando o primeiro tempo.

Disposta a decidir o jogo, a Seleção Brasileira voltou em outra velocidade para a segunda etapa. Logo aos dois minutos, Carlos Alberto fez ultrapassagem, recebeu de Jairzinho e cruzou seco. A bola passou pela pequena área, mas Pelé não conseguiu completar para o gol.

Mais solto no meio, Gérson subia ainda mais, pressionando o sistema defensivo da Itália, que apelava para as faltas. Foram várias oportunidades de bola parada na entrada da área italiana nos primeiros 15 minutos de segundo tempo. Em uma delas, Pelé rolou para Rivellino, que bateu de direita e a bola explodiu na trave. Na outra, a Patada Atômica veio direto e só não estufou a rede porque Albertosi fez uma defesa monumental.

A única boa chance da Itália nesse início de segundo tempo veio quando Domenghini tentou cruzar, a bola bateu em Everaldo e parou na rede pelo lado de fora. Mas o domínio era brasileiro e não demorou para a Seleção transformar a pressão no desempate.

Aos 20 minutos do segundo tempo, Gérson pegou sobra após jogada de Jairzinho. Na intermediária, cortou para a perna esquerda e soltou uma bomba. A Canhotinha de Ouro só parou no fundo da rede, um golaço de tirar o fôlego no Azteca, o primeiro de Gérson na Copa do Mundo.

O golpe, que já seria duro para a Itália, ficou ainda pior apenas cinco minutos depois. Gérson lançou para a área e encontrou Pelé. De cabeça, o Rei escorou para Jairzinho, que, meio aos trancos e barrancos, completou para o gol, o sétimo dele no torneio. 

LEIA MAIS
50 anos do Tri: Duas décadas depois do Maracanazo, Brasil supera o Uruguai

Com o 3 a 1 no placar, o Brasil se encontrava praticamente com as mãos na taça. Já cansada em campo, a Itália não mostrava muita força para reagir. E o Brasil seguia em busca do quarto gol, que veio aos 41 minutos, da melhor maneira possível.

Jairzinho - Brasil x Itália - Copa do Mundo 1970 Jairzinho comemora o terceiro gol contra a Itália
Créditos: FIFA

A jogada começou lá atrás, quando Tostão voltou para ajudar Everaldo na marcação, roubando a bola de Domenghini. A pelota caiu nos pés de Brito, que a empurrou para Clodoaldo. O Corró aproveitou a descida de Pelé e Gérson para acioná-los e recebeu a bola em seguida. A Itália tentou subir a marcação, mas Clodô tirou de letra. Foram quatro adversários batidos em uma sequência de dribles curtos. Depois de limpar o lance, ele abriu para Rivellino, que se aproximou perto da linha central.

O movimento de Rivellino abriu espaço na ponta esquerda e foi para lá que Jairzinho se direcionou. O lançamento do Riva veio na meia altura, em velocidade, para o Furacão dominar e partir para cima da marcação. Após passar pelo primeiro adversário, Jair encontrou Pelé na meia lua da área.

Nesse momento, o Rei já sabia o que fazer. Mas caso não soubesse, havia Tostão, logo a frente dele, apontando para o lado direito da área. Era ali que apareceria Carlos Alberto Torres, em uma corrida fulminante, para receber o passe no espaço vazio e encher o pé, de primeira, para fazer o gol. Estava desenhado ali o maior símbolo daquela geração. O jogo bonito resumido em um lance, uma jogada, que teve de tudo. Drible, passe, improviso, dedicação, defesa, movimentos táticos, velocidade, enfim. Um gol brasileiro.

O gol foi a pá de cal em qualquer pretensão de virada dos italianos. Depois do tento do Capita, as duas equipes praticamente só esperaram o jogo acabar para a definição do título. Após o apito final, os jogadores brasileiros comemoraram em Êxtase. Torcedores, jornalistas e seguranças mexicanos invadiram o gramado, desesperados por qualquer peça de roupa de qualquer um dos jogadores. O Rei Pelé ficou apenas de cueca e 'sombrero', o tradicional chapéu do país, enquanto comemorava o título nos ombros do povo.

Estava escrita ali a mais bonita página da história do futebol. Uma trajetória tão bonita que não parecia de verdade. Que faz crer que este texto não é uma crônica, mas uma fábula. era como se o futebol fosse esse poder extraordinário do povo brasileiro, que o permitia ser amado pelo resto do mundo. Talvez seja por isso que o brasileiro ame tanto o futebol. Mas podemos ter certeza, principalmente depois da Copa de 1970: o futebol também nos ama de volta.

Pelé é abraçado por companheiros após gol de Carlos Alberto na final da Copa do Mundo de 1970 Pelé é abraçado por companheiros após gol de Carlos Alberto na final da Copa do Mundo de 1970
Créditos: FIFA/Reprodução

BRASIL  4 x 1 ITÁLIA - COPA DO MUNDO DE 1970

Brasil: Félix; Carlos Alberto Torres, Brito, Piazza e Everaldo; Clodoaldo e Gérson; Rivellino, Jairzinho, Tostão e Pelé. Técnico: Zagallo.

Itália: Albertosi; Burgnich, Cera, Rosato e Facchetti; Bertini (Juliano, 84) e De Sisti; Mazzola, Domenghini, Boninsegna (Rivera, 84) e Riva. Técnico: Ferrucio Valcareggi.

Gols: Pelé (18), Boninsegna (37), Gérson (66), Jairzinho (71) e Carlos Alberto Torres (86)

Você sabia?


- Brasil e Itália decidiram duas Copas do Mundo e a Seleção Brasileira levou a melhor em ambas as finais (1970 e 1994).

- "O melhor futebol do mundo no barbante deles!". Foi assim que Fernando Solera narrou os gols contra a Itália na final de 70.

- Antes do jogo, o presidente Emílio Médici, da ditadura militar, apostou em vitória do Brasil por 4 a 1.

Há 50 anos...


Antes da partida entre Brasil e Itália, os jornais brasileiros tentavam conter o evidente otimismo que tomava conta da torcida no país. A Seleção fazia uma Copa do Mundo praticamente irretocável e faltava apenas um jogo para o tricampeonato mundial.

Não à toa, vários deles dedicaram suas páginas da edição do dia 21 de junho de 1970 à festa que tomaria conta das ruas em caso de vitória brasileira. No Rio de Janeiro, O Globo anunciava: "Carioca embora inquieto já prepara carnaval da vitória". A Folha de São Paulo foi pelo mesmo caminho: "O Brasil inteiro será uma única festa, se ganhar hoje".

O clima de euforia era tão grande que até mesmo uma resposta completamente normal do técnico Ferruccio Valcareggi foi classificada como otimista pel'O Globo. Antes da partida, o comandante da Itália foi perguntando sobre as chances da Azzurra no jogo. E respondeu:

- Será uma partida muito difícil, disse, mas temos as mesmas possibilidades de vitória.

A colocação gerou uma matéria no jornal carioca, que foi chamada na capa com a manchete "Itália otimista acha que chance é igual". Mas a realidade é que a partida confirmou o que todos esperavam e o Brasil foi campeão do mundo sem maiores sustos. Nos jornais do dia seguinte, foi um misto de completa euforia com uma análise elogiosa do desempenho da Seleção.

O Jornal dos Sports falou em "show" do Brasil. Já O Globo não foi econômico. Na capa, "Carnaval em Junho", em letras garrafais. No interior do jornal, o relato do jogo trazia a confiança retomada após o título: "Vitória maravilhosa do melhor futebol do mundo".

Jornal O Globo destaca vitória do Brasil na final da Copa do Mundo de 1970 Jornal O Globo destaca vitória do Brasil na final da Copa do Mundo de 1970
Créditos: Acervo O Globo

Houve ainda espaço para exaltar a atuação de Pelé, que contribuiu com um gol e duas assistências na grande final, tornando-se o primeiro e único jogador tricampeão do mundo. Enquanto O Globo trouxe uma reportagem com os geniais lances do Rei no Mundial, a Folha preferiu destacá-lo na seção que homenageava cada um dos jogadores.

Em vez de apresentar uma descrição tradicional, corrida, como foi com os outros 21, Pelé recebeu apenas uma ficha técnica. A ideia de Américo Mendes era tentar resumir da maneira mais simples e correta possível o talento do Rei:

"Edson Arantes do Nascimento
Pelé - o Rei
Mineiro, de Três Corações
Data do nascimento: 23 de outubro de 1940
Estado civil: casado, uma filhinha de três anos e seu lar esperava nova visita da cegonha
Começou no infantil do BAC (Bauru Atlético Clube)
O Santos FC foi único clube pelo qual atuou até agora
Tem o nome na Enciclopédia Britânica
OBSERVAÇÕES: o maior jogador do mundo"

Ado Goleiro
Félix Goleiro
Leão Goleiro
Baldocchi Zagueiro
Brito Zagueiro
Fontana Zagueiro
Joel Zagueiro
Carlos Alberto Lateral direito
Ze Maria Lateral direito
Everaldo Lateral esquerdo
Marco Antônio Lateral esquerdo
Clodoaldo Meio-campista
Gerson Meio-campista
Pelé Meio-campista
Piazza Meio-campista
Rivellino Meio-campista
Tostão Meio-campista
Dario Atacante
Edu Atacante
Jairzinho Atacante
Paulo Cézar Caju Atacante
Roberto Miranda Atacante

PATROCINADORES

Seleção Brasileira Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports