Brasil e Espanha se enfrentam pela final dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Brasil e Espanha se enfrentam pela final dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Neste sábado (7), às 8h30 (horário de Brasília), Seleção decide título da Olimpíada

Brasil x Arábia Saudita pela terceira rodada da Olimpíada de Tóquio. Richarlison. Com o artilheiro Richarlison, Seleção Olímpica busca o ouro neste sábado, contra a Espanha
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Chegou o grande dia! Neste sábado, a Seleção Brasileira entra em campo em busca da segunda medalha de ouro de sua história. Brasil e Espanha se enfrentam no Estádio de Yokohama pela final dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A bola rola às 8h30 (horário de Brasília), em partida com transmissão da Rede Globo, do Sportv e da BandSports.

Brasil x Espanha - Jogos Olímpicos de Tóquio 2020


Data: 7 de agosto (sábado)

Horário: 8h30 (horário de Brasília)

Local: Estádio de Yokohama, Japão

Transmissão: Rede Globo, Sportv e BandSports

Diante da Espanha, o Brasil vai em busca de seu segundo título olímpico. Atual campeã, a Seleção Brasileira conquistou a medalha de ouro na Rio 2016. Esta será a quinta final de Jogos Olímpicos do Brasil no futebol masculino. Até aqui, foram três medalhas de prata (1984, 1988 e 2012) e o ouro no Maracanã (2016).

Jogador mais experiente do grupo, Daniel Alves sabe bem como é disputar uma decisão. Ele é, afinal, o atleta com mais títulos no futebol mundial. Antes do embate com os espanhóis, o capitão da Seleção Olímpica passou um recado a todo o grupo. Em entrevista coletiva, frisou a necessidade de desfrutar do momento, da chance de jogar uma partida deste tamanho.

"A gente precisa desfrutar, pois não é todo dia que se chega a uma final de Olimpíada, não são muitos os que estão aqui que terão a chance de jogar outra. É um momento especial e, nestes, você tem que se preparar bem, vivenciar com muita intensidade porque eles não voltam. Esta é a nossa ideia: colocar tudo o que temos no coração, na alma e na mente nesse grande dia”, disse o lateral.

Seleção Olímpica mediu forças com o México pela semifinal da Olimpíada de Tóquio 2020. Daniel Alves Com experiência de sobra, Daniel Alves tem sido líder e espelho de todo o grupo da Seleção Olímpica
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Com a força dos veteranos


A mensagem de Daniel Alves é apenas um reflexo da liderança positiva exercida por alguns dos jogadores do elenco da Seleção Brasileira. Na véspera da final contra a Espanha, o técnico André Jardine rasgou elogios aos três atletas com idade acima dos 24 anos no grupo brasileiro: o próprio Dani, Diego Carlos e Santos.

Em entrevista coletiva, o treinador explicou um pouco da importância de contar com jogadores desse calibre em uma decisão como essa:

"A gente tem conversado sobre isso, sobre como foi importante. Os três acima da idade deram um peso à nossa equipe, um toque de experiência, de maturidade que nos faltava. A gente sofreu no Pré-Olímpico, especialmente no sistema defensivo, que é onde carece mais de experiência", contou, antes de discorrer sobre os três jogadores:

"Falar de Dani, Santos e Diego Carlos é falar de experiência, de jogadores já firmados em seus clubes, vivendo o auge de suas carreiras. O Dani, mesmo com 38 anos, em uma forma física impressionante. E a maturidade que ele tem fala por si dentro do jogo, decisões muito corretas, muito lúcido, realmente muito experiente. E um traço de liderança nos três que ajudou muito e dá um norte aos mais jovens, um rumo a seguir".

Confira mais respostas da entrevista de André Jardine antes do jogo

Em palco sagrado


Palco da final contra a Espanha, o Estádio de Yokohama traz grandes recordações para a Seleção Brasileira. Foi naquele mesmo gramado, há mais de 19 anos, que o Brasil derrotou a Alemanha por 2 a 0 e conquistou o seu quinto título da Copa do Mundo FIFA.

A campanha olímpica do Brasil em Tóquio 2020 começou no próprio estádio, com vitória por 4 a 2 sobre os alemães. No reencontro com Yokohama, o meia Claudinho lembrou toda a história que o estádio carrega e revelou um desejo: ser feliz como os brasileiros foram em 2002.

"Chegamos aqui, fomos lembrados já que foi aqui que ocorreu a final, que foi aqui que o Ronaldo fez os dois gols, que o Brasil foi campeão. É um momento muito marcante, não só para mim, para todos os atletas, para a comissão, para todo mundo que está vivendo isso. Espero que o final seja feliz, como foi em 2002", declarou.

Veja o que mais Claudinho falou sobre a final contra a Espanha

Seleção Olímpica faz reconhecimento do gramado do Estádio Internacional de Yokohama Delegação da Seleção Brasileira no Estádio de Yokohama
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Fé no artilheiro


Na estreia contra a Alemanha, em Yokohama, brilhou a estrela de Richarlison, que marcou três vezes. Aquele era um prenúncio da grande competição que o atacante estava por fazer. Até aqui, foram cinco gols e uma assistência nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, fazendo dele um dos principais nomes do torneio.

"O Richarlison deu um peso ao ataque. É um jogador de Seleção Principal. Mesmo sendo jovem, ele dá um nível de confiança, de experiência bastante grande. Tornou nossa equipe mais potente na frente, com mais peso", avaliou André Jardine.

Diante da Espanha, o Brasil deposita suas fichas mais uma vez no camisa 10, principalmente pela situação de Matheus Cunha, que ainda é dúvida. Artilheiro do projeto olímpico da Seleção Brasileira, o atacante trabalhou nos últimos dias para se recuperar de uma contratura sofrida contra o Egito, mas não tem presença garantida na final.

"Tentamos otimizar nosso tempo ao máximo nesse intervalo antes do jogo contra a Espanha. Mas a prioridade foi recuperar os atletas. Neste último treino, buscamos ajustar alguns detalhes e pensar nas soluções para a equipe no caso da ausência do Cunha. Vai ser um grande jogo", disse Jardine.

Tira-teima contra a Fúria


A partida deste sábado será o terceiro embate entre Brasil e Espanha na história das Olimpíadas. A primeira vez que as duas seleções estiveram frente a frente foi nos Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968. Em sua estreia naquela edição, o Brasil acabou derrotado por 1 a 0 na capital mexicana. O resultado complicou a campanha brasileira, que, com empates contra Japão e Nigéria, terminou ainda na fase de grupos.

O troco do Brasil veio oito anos depois, nos Jogos Olímpicos de Montreal, em 1976. Na partida que marcava a estreia da Espanha naquela Olimpíada, a Seleção Brasileira venceu por 2 a 1, com gols de Rosemiro e Fraga. A vitória encaminhou a classificação do Brasil e acabaria eliminando a Espanha, que não conseguiu superar a Alemanha Oriental no mesmo grupo.

Jogos Olímpicos da Cidade do México (1968)

Brasil 0 x 1 Espanha

Jogos Olímpicos de Montreal (1976)

Brasil 2 x 1 Espanha

Gols: Rosemiro e Fraga

Retrospecto de Brasil x Espanha em Jogos Olímpicos

Dois anos e uma final


A decisão deste sábado é o capítulo final de um projeto que durou mais de dois anos. Com início no Torneio de Toulon, no meio de 2019, o projeto olímpico envolveu dezenas de jogadores, jogos preparatórios, períodos de treinamento... Teve também a conquista da vaga para Tóquio no Pré-Olímpico da Colômbia, no início de 2020. Tudo isso para desembocar em uma decisão de alto nível, do tamanho que o futebol mundial merece.

Um dos jogadores que fizeram parte do projeto da Seleção Olímpica desde o início, o meia Bruno Guimarães reforçou a importância de estar trabalhando com o grupo há tanto tempo para chegar tão longe na competição.

"Estamos muito preparados e queremos conquistar o ouro olímpico. Importante falar também de toda nossa preparação que foi muito importante, tivemos muitos jogos, diversos amistosos e a base da equipe já vem desde 2019. Foi fundamental conseguirmos reunir quase todos os jogadores que passaram pelas convocações. Os únicos que não estavam eram os três acima da idade e mais o Richarlison. Vejo tudo isso que está acontecendo como preparação da comissão e da minha parte, um sonho realizado”, concluiu.

Leia mais da entrevista de Bruno Guimarães antes da decisão

Brasil e Espanha se enfrentam neste sábado (7), às 8h30 (horário de Brasília), no Estádio de Yokohama, pelos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A partida terá transmissão ao vivo da Rede Globo, do Sportv e da BandSports.

Seleção Olímpica treinou em Yokohama antes da final deste sábado. Bruno Guimarães Clima foi leve no treino antes da final contra a Espanha
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

PATROCINADORES

Seleção Brasileira nike guarana antarctica vivo itau mastercard voe gol bitci free fire kwai grupo cimed fiat pague menos semp tcl cafe 3 corações techno gym stats ports kin analytics globus brasil