Raízes da Seleção: goleiro por natureza, Alisson quer ser exemplo para os jovens

Raízes da Seleção: goleiro por natureza, Alisson quer ser exemplo para os jovens

Criado em uma família de goleiros, Alisson teve no irmão o principal espelho na profissão; atualmente, trabalha com um ídolo de infância

Alisson Alisson
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Para Alisson, todos os caminhos levam ao gol. Criado em uma família de goleiros, o arqueiro da Seleção Brasileira sempre sonhou em atuar debaixo das traves. Mas o destino foi ainda mais generoso do que o esperado. Depois de muito suor e trabalho, o menino de Novo Hamburgo tomou conta de meta brasileira e se tornou ídolo de um dos maiores clubes do mundo.

Ao longo desse caminho, Alisson teve uma grande referência: seu irmão. Mais velho, Muriel também foi goleiro das categorias de base do Internacional e foi o primeiro deles a se profissionalizar no futebol. Atualmente, os dois atuam na Europa. Enquanto Muriel defende o Belenenses, de Portugal, Alisson veste a camisa do Liverpool, da Inglaterra. Mas a história desta família com o gol começou bem antes de ambos fazerem suas primeiras defesas.

- Meu pai jogava no gol nas companhias em que ele trabalhava. Meu bisavô foi goleiro amador lá em Novo Hamburgo. E a minha mãe jogava como goleira de handebol no colégio. Meu irmão sempre foi referência na minha vida, em todos os sentidos, como ser humano e como jogador. Ele é uma das melhores pessoas que eu conheço, e é um privilégio tê-lo como irmão e amigo. Ele foi e ainda é uma pessoa extremamente importante na minha vida - declarou o camisa número 1 da Seleção.

Para Alisson, tudo sempre se tratou das referências. Ter um espelho dentro de casa fez toda a diferença. Em cada passo, tentava imaginar o que faria o irmão - ou o que fez, já que muitos capítulos da história dos dois foram repetidos. E recebeu dele todo o apoio possível. No momento em que mais precisou, Alisson teve o teto de Muriel para lhe acolher. Quando completou 15 anos de idade, passou a treinar em dois períodos nas categorias de base do Internacional. Seria difícil seguir uma rotina exaustiva que já se arrastava há alguns anos: a viagem diária de Novo Hamburgo até Porto Alegre. Graças à ajuda do irmão, que o trouxe para sua casa por alguns meses, conseguiu se estabelecer na capital gaúcha. De lá, realizou seu sonho no futebol.

Na Seleção Brasileira, porém, Alisson encontrou muito mais do que um exemplo. Toda vez que vai a campo, trabalha com um ídolo de infância. Ex-goleiro de tantas glórias pela Seleção Brasileira e pelo Internacional, Taffarel construiu uma relação de amizade com Alisson ao longo do tempo. Entre conselhos e tardes intensas de trabalho, conseguiu passar algumas lições valiosas para o atual goleiro da Seleção. Mas a principal delas não pode ser vista dentro de campo. 

Foi com a simplicidade do dia a dia que o ídolo se transformou em amigo. Mais do que isso, Taffarel mostrou que, na vida, tudo fica melhor quando é feito com amor, sentimento que os dois compartilham pelo futebol.

- Às vezes a gente nem se dá conta da grandeza que ele representa, porque quem convive com ele vê a pessoa simples que é. Quando as pessoas gritam o nome dele, entre os treinamentos, no estádio, a gente se dá conta. Às vezes nem ele percebe o que significa para a minha geração e para todos, principalmente para quem sonha ser goleiro. Sou privilegiado por poder trabalhar ao lado dele, por poder absorver a experiência dele. Também aprender que, por maior que a gente seja, temos que ser simples. Ele trata todos da mesma maneira, ama estar aqui com a Seleção, estar dentro do futebol. E quando a gente faz as coisas com amor, elas dão certo - contou.

Fora do futebol, Alisson teve outros grandes exemplos de determinação: os pais. Mesmo diante das dificuldades cotidianas, eles fizeram o impossível para que os filhos não deixassem de sonhar. O goleiro tem exata noção do privilégio que foi ter pais tão dedicados ao  seu lado. Assim como ele, muitos jovens podem ter sonhado com o futebol e ficado pelo caminho, justamente pela falta de alguém em quem se espelhar.

Hoje, como um dos melhores jogadores do mundo, ele quer usar a plataforma que construiu para se tornar a referência que tantas crianças não têm na infância. No último mês de maio, Alisson e sua esposa, a médica Natália Becker, foram escolhidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para serem embaixadores da boa vontade. O objetivo é ajudar a promover hábitos saudáveis e usar o futebol como espaço para divulgar essa mensagem:

- Quero trazer o que tenho do futebol. Nós somos espelhos das crianças, dos jovens. A gente fala muito em ídolos. Eu sempre procurei referências na minha infância, e os jovens também procuram. Isso é o mais importante: usar o que Deus nos dá para fazer o bem. E ele me deu o dom de jogar futebol. Acredito que não é só para jogar futebol, mas que foi por um propósito. Estou em busca dele ainda, mas já encontrando alguns caminhos.

Retrato Alisson Alisson quer ser exemplo para os fãs que cultivou no futebol
Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

PATROCINADORES

Seleção Brasileira nike guarana antarctica vivo itau mastercard voe gol bitci free fire kwai grupo cimed fiat pague menos semp tcl cafe 3 corações techno gym stats ports kin analytics globus brasil