Luizão e Marcelinho relembram conquista do Mundial de 2000 pelo Corinthians

Luizão e Marcelinho relembram conquista do Mundial de 2000 pelo Corinthians

Dupla era titular na equipe de Oswaldo de Oliveira, que derrotou o Vasco na decisão, em pleno Maracanã

Luizão levanta taça de campeão após superar o Vasco nos pênaltis Luizão levanta taça de campeão após superar o Vasco nos pênaltis
Créditos: Divulgação/Site oficial Corinthians

O mundo nunca mais foi o mesmo para a fiel torcida a partir da virada do século. Há exatos 20 anos, em 14 de janeiro de 2000, numa noite quente do verão carioca, o Corinthians conquistava pela primeira vez o Mundial de Clubes, escrevendo um dos capítulos mais importantes da sua história. Cerca de 73 mil pessoas testemunharam, no Maracanã, o triunfo do Timão sobre o Vasco por 4 a 3, nos pênaltis, após empate sem gols no tempo normal.

Atual bicampeão brasileiro (1998 e 1999), o Corinthians, antes de encarar o Cruzmaltino na decisão, passou por Raja Casablanca (Marrocos) e Al Nars (Arábia Saudita), além de bater de frente e deixar para trás o todo poderoso Real Madrid. Na época, o time espanhol era o atual detentor da Liga dos Campeões e tinha no elenco, dentre outras estrelas, o goleiro Iker Casillas, os brasileiros Roberto Carlos e Sávio, e a dupla de ataque formada por Raúl e Anelka.

Corinthians faturou no Maracanã o primeiro título mundial da sua história Corinthians faturou no Maracanã o primeiro título mundial da sua história
Créditos: Divulgação/FIFA

Uma das principais figuras daquele elenco corintiano, o atacante Luizão conversou de forma exclusiva com o site da CBF e relembrou a conquista que está completando duas décadas. Para o camisa 9, mesmo o Real tendo um elenco bastante estrelado, o duelo diante do Vasco teve uma dificuldade a mais.

– Os dois jogos foram muito difíceis, tanto que terminaram empatados. Mas acho que o jogo contra o Vasco, como foi para prorrogação, estava quente e já estávamos exaustos, foi mais difícil – afirmou o ex-atacante.

Multicampeão ao longo da carreira, Luizão ‘bateu na trave’ da conquista de um título mundial pouco tempo antes do torneio de 2000. Foi em 1998 e, curiosamente, o centroavante vestia justamente a camisa do Vasco, adversário do Corinthians naquele 14 de janeiro.

– Ser campeão do mundo... eu tinha perdido praticamente um ano antes contra o Real Madrid, pelo Vasco, e deu de ser contra o Vasco depois de um ano e pouco. Mas, para mim, a maior felicidade foi ver a torcida do Corinthians, nossos amigos, porque a gente se dedicou muito para esse título. A gente veio de um Campeonato Brasileiro super cansativo e nos empenhamos muito para conquistar esse título – disse o ex-jogador, que não escondeu o orgulho de ter marcado seu nome na equipe paulista:

 

“Entrar para a história de um clube como o Corinthians fica marcado a vida toda”

 

Depois de um grande duelo ao longo dos 120 minutos de bola rolando, a decisão do campeão mundial de 2000 ficou para a marca da cal. Luizão foi um dos responsáveis pelas cobranças e não desperdiçou. Apesar disso, confessou que mudou a forma de bater justamente naquela final.

– O Oswaldo perguntou quem queria bater, eu disse: ‘eu quero bater’. Eurico (Miranda, vice-presidente de futebol do Vasco na época) não tinha me pago dez meses, então eu vou bater (risos). E eu treinava muito com o Hélton. A gente sempre treina com o goleiro reserva, terceiro goleiro. Eu sempre batia no outro canto, então pensei: ‘vou mudar’. No que eu fui mudar, ele acertou o canto – relembrou Luizão, que respirou mais tranquilamente quando viu a bola morrer no fundo das redes:

– Ainda bem que eu bati bem, na hora que eu vi a bola entrando eu pensei: ‘poxa, que alívio’ (risos).

Timão foi o primeiro clube a conquistar um Mundial de Clubes organizado pela FIFA Timão foi o primeiro clube a conquistar um Mundial de Clubes organizado pela FIFA
Créditos: Divulgação/FIFA

A última cobrança

Ao contrário de Luizão, o chute de Marcelinho Carioca não teve o mesmo desfecho. Conhecido por ter a bola parada como um trunfo, o Pé de Anjo revelou ao site da CBF que também trocou o lado da cobrança, mas viu o goleiro vascaíno fazer a defesa.

– Por incrível que pareça, eu fui muito confiante no pênalti. Só que na hora, sem tirar o mérito do Hélton, que fez uma brilhante defesa, eu mudei meu canto de origem e ele foi feliz e pegou. Tenho que reconhecer a supremacia do adversário. Mas o velho Ed, Edmundo, ajudou o corintiano (risos). A equipe que a gente tinha era muito forte, bicampeã brasileira, campeã paulista, que ganhou tudo e não merecia ser derrotada – disse o ex-atacante.

Logo depois de ver Hélton defender seu chute, Marcelinho Carioca vibrou com Edmundo finalizando para fora. A cobrança garantiu o título inédito para o Corinthians, que segue sendo lembrado com muito orgulho pelo ex-jogador.

 

“É um presente que vai ficar cravado na memória e no coração de todo amante do Corinthians, por todo o bando de loucos

 

Ficha técnica:

Corinthians 0 (4) x (3) 0 Vasco

Data: 14/01/200, sexta-feira

Hora: 20h

Local: Maracanã, Rio de Janeiro-RJ

Público: 73.000 pagantes

Árbitro: Dick Jol (Holanda)

Assistentes: Jens Larsen (Dinamarca) e Fernando Cresci Fripp (Uruguai)

Corinthians: Dida; Índio, Fábio Luciano, Adílson e Kleber; Vampeta (Gilmar), Rincón, Marcelinho Carioca e Ricardinho (Edu); Luizão e Edílson (Fernando Baiano) - Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Vasco: Hélton; Paulo Miranda, Odvan, Mauro Galvão e Gilberto; Amaral, Juninho (Viola), Felipe (Alex Oliveira) e Ramon (Donizete); Edmundo e Romário - Técnico: Antônio Lopes.