Adílio fala sobre Arão e Gerson no Flamengo: "Fazem o time jogar"

Adílio fala sobre Arão e Gerson no Flamengo: "Fazem o time jogar"

Campeão da Libertadores em 1981, ex-volante destaca dupla como principal ponto de equilíbrio da equipe que pode conquistar sábado o bicampeonato continental

Adílio conquistou a Libertadores da América pelo Flamengo em 1981 Adílio conquistou a Libertadores da América pelo Flamengo em 1981
Créditos: Reprodução/Instagram

Em um elenco recheado de craques, no qual os holofotes se revezam entre Bruno Henrique, Gabigol e Arrascaeta, dois jogadores tornaram-se fundamentais no esquema tático do Fla. A dupla Willian Arão e Gerson deixou o papel de coadjuvante e assumiu protagonismo nesta trama rubro-negra. Juntos, os dois viraram o grande ponto de equilíbrio do time. Nas graças da torcida, ambos contam ainda com o aval de quem entende da posição e conhece como poucos a equipe da Gávea: para Adílio, Arão e Gerson deram toque de firmeza ao meio campo.

Com 461 jogos e 102 gols marcados, Adílio é um dos expoentes da geração de ouro do Fla. Na Gávea, o ex-jogador foi campeão da Libertadores e do Mundo em 1981, além de faturar os Brasileiros de 80, 82 e 83.  Num bate-papo exclusivo com o site da CBF, Adílio ressaltou a importância da dupla de volantes para o alto desempenho do time neste ano, além de comentar sobre as expectativas que cercam a tão badala final da Libertadores contra o River Plate-ARG, em Lima.

– São dois jogadores que encaixaram muito bem no time. Arão e Gerson, juntos, resolveram o problema no meio campo do Flamengo. Praticamente tudo sai deles. São jogadores que atuam pra frente e fazem o time jogar. Quando uma equipe tem um bom meio, basta o atacante estar atento para estufar as redes. Eles têm ajudado muito Bruno Henrique e Gabigol nisso – analisou. 

Willian Arão é um dos  jogadores mais antigos do atual elenco: o volante está desde 2015 no Rubro-Negro Willian Arão é um dos jogadores mais antigos do atual elenco: o volante está desde 2015 no Rubro-Negro
Créditos: Marcelo Cortes / Flamengo

Sob a batuta do técnico Jorge Jesus, o Flamengo de 2019 está perto de igualar um dos feito daquele time estrelado de 1981: conquistar a América. O último capítulo da Copa Libertadores está marcado para sábado (23),  às 17h (de Brasília), no Estádio Monumental de Lima, contra o River Plate. 

– O Flamengo tem uma grande oportunidade agora. Está muito bem estruturado. O trabalho foi muito bem feito. A parte financeira foi o mais importante. Hoje em dia o Flamengo tem os melhores jogadores em cada posição. Os laterais (Rafinha e Filipe Luís) encaixaram muito bem e a equipe foi para frente. Hoje estamos colhendo esses frutos. Estamos em duas "finais" que podemos ganhar bem – destacou.

Desde julho na Gávea, Gerson soma 29 partidas e dois gols marcados com a camisa do Flamengo Desde julho na Gávea, Gerson soma 29 partidas e dois gols marcados com a camisa do Flamengo
Créditos: Alexandre Vidal / Flamengo

Além da Libertadores, a outra "final" que Adílio se refere é em relação ao Brasileirão. Isso porque, o Rubro-Negro pode levantar a taça da Libertadores no sábado e soltar o grito de campeão brasileiro no dia seguinte. 

– Apesar da ansiedade, os jogadores devem estar tranquilos, principalmente pelo trabalho que está sendo feito. A gente sabe que cada jogo é uma dificuldade diferente. Mas quando se tem um time preparado, como esse do Flamengo, você fica mais tranquilo – comentou, antes de finalizar:

– O lado de lá deve estar com esse sentimento também. As duas equipes estão bem. Então, a princípio, tem tudo para ser um grande jogo. 

Laterais e organização tática: Júnior analisa Flamengo na Libertadores

Confira toda a campanha do Flamengo na Libertadores da América!