Destaque do Atlético de Madrid, Ludmila celebra tricampeonato espanhol

Destaque do Atlético de Madrid, Ludmila celebra tricampeonato espanhol

Atacante brasileira ergue o troféu nacional pela segunda vez no terceiro título consecutivo das Rojiblancas. Ela falou em exclusiva ao site da CBF: "Mágico"

Ludmila levantou pela segunda vez o troféu do Campeonato Espanhol

Créditos: Divulgação/Twitter-Atlético de Madrid

"É algo sem explicação". Assim a atacante Ludmila tentou traduzir, ainda que de forma paradoxal, um sentimento que para ela é de fato inexplicável. Primeira brasileira da história contratada para defender o Atlético de Madrid, a jogadora brazuca levantou pela segunda vez o troféu do Campeonato Espanhol de futebol feminino, conquistado no último domingo (5), na vitória por 3 a 1 sobre o Real Sociedad.

Ludmila contribuiu diretamente para o terceiro título nacional das rojiblancas, balançando as redes em 11 oportunidades ao longo da disputa. No duelo do título, a brasileira teve mais uma atuação segura e fechou sua participação dando passe para o terceiro gol de Esther González no jogo.

— A temporada foi ótima para mim. Foi um novo trabalho, com um novo técnico. Esse ano foi muito mais de aprendizado e colocar tudo em prática o que apendi. Para mim, é algo sem explicação... algo que não sei falar. Mas você olha suas companheiras, e vê vontade nelas em cada jogo. Fome de ganhar cada partida — contou Ludmila, em exclusiva ao site da CBF.

Um dos grandes momentos da temporada foi no embate entre Atlético de Madrid e Barcelona, dia 18 de março, que entrou para a história quando o estádio Wanda Metropolitano registrou a presença de 60.739 expectadores, batendo o recorde mundial de público em uma partida entre clubes do futebol feminino. Em campo, o Atlético acabou superado por 2 a 0 pelo Barça de Andressa Alves. No entanto, apesar do revés, Ludmila garante que esse dia foi de fato um marco do esporte.

— Esse ano foi mais complicado e de muitas surpresas: ganhamos 28 jogos. É para entrar para a história. A gente acabou perdendo um dos jogos mais importantes, que foi contra o Barcelona, mas para você ganhar um troféu precisa passar por muitas barreiras. Os jogos que perdemos só deu vontade de trabalhar mais e seguir com a meta de sermos campeãs. Além disso teve nosso recorde de público, com milhares de pessoas presenciando nosso futebol — contou a jogadora.

Primeira à esquerda, Ludmila festeja o tricampeonato consecutivo do Atlético de Madrid Primeira à esquerda, Ludmila festeja o tricampeonato consecutivo do Atlético de Madrid
Créditos: Divulgação/Twitter-Atlético de Madrid

Por fim, a atacante da Seleção Brasileira contou que sente orgulho de fazer parte de um processo que vem colocando o futebol feminino cada vez mais em evidência. Não obstante, ela lembra da luta de jogadoras do passado e projeta um futuro mais próspero à modalidade.

— Para mim o futebol feminino está indo no caminho certo. Estamos tendo a oportunidade de milhares de pessoas conhecerem o futebol feminino. E acho que tudo isso vem de jogadoras que lutam há anos por isso. Estou tendo a oportunidade de dar continuidade ao trabalho delas. Fico muito feliz de ver muitos fãs e muitas crianças falando que queriam ter minha velocidade. Isso é mágico. Ficou super feliz ao escutar isso — disse.

No próximo sábado (11), Ludmila pode faturar mais um troféu pelo clube: o Atlético de Madrid encara novamente o Real Sociedad, desta vez pela decisão da Copa da Rainha. A atacante de 24 anos não vê a hora de a bola rolar.

— É a primeira vez que jogo duas finais. Nunca passei por isso e sigo com pensamentos de ganhar e ser feliz. Cada jogo é diferente, são outras sensações. Estou muito ansiosa — concluiu. 

Desde 2017 na Espanha, Ludmila tem 24 gols marcados em 57 jogos disputados com a camisa do Atlético.