Colombiano do Cruzeiro

26/09/2017 às 13:16 | Assessoria CBF

Ídolo celeste, Aristizábal recorda final de 2003

Catorze anos depois, Cruzeiro e Flamengo voltam a decidir uma Copa do Brasil. O ano era 2003 e, na ocasião, a festa foi em azul: tetracampeonato da equipe mineira. Naquela final, um colombiano foi destaque na conquista. Víctor Hugo Aristizábal – autor de cinco gols no torneio, um deles na finalíssima - até hoje é ídolo do torcedor do Cruzeiro e um símbolo daquele time campeão. Na final atual, os colombianos estão do lado rubro-negro. O atacante Berrío, o técnico Rueda e o volante Cuellar são conterrâneos de Aristi. A CBFTV conversou com o ex-atacante sobre essa particularidade da final de 2017. O ídolo cruzeirense recordou a noite memorável de 2003 e se derreteu ao falar do clube mineiro.

Depois de uma trajetória consistente na competição, o Cruzeiro de Aristigol se deparava com o perigoso e talentoso time do Flamengo na finalíssima de 2003. A partida de ida foi disputada no Maracanã. Ao final dos primeiros 90 minutos, um empate em 1 a 1. O resultado, revelou Aristizábal, foi comemorado pelos mineiros. A decisão seguiu para Belo Horizonte (MG), e os jogadores da Raposa sabiam que largavam na frente para o segundo duelo:

– A gente tinha empatado o primeiro jogo no Maracanã. Na volta, sabíamos que a gente tinha a vantagem de jogar no nosso campo, com a nossa torcida. E nós perdíamos pouco no Mineirão. A equipe estava muito entrosada – relembrou o atacante.

A preparação para a final foi intensa, mas de clima muito leve. Para Aristizábal, a equipe mineira havia formado uma grande família. Acompanhada pela presença em massa da torcida celeste – de quem o colombiano guarda grandes saudades e admiração – a Raposa apostou na união do grupo para garantir o título no Mineirão.

­– A torcida lotou o estádio. A gente ficou arrepiado dentro de campo pela homenagem que eles fizeram para nós. O time estava muito bem, jogava muito bem. Éramos uma família, e isso nos ajudou muito para que saíssemos campeões ­– recordou Aristigol que revelou ainda, em meio a largas risadas, o clima familiar e de parceria dentro da equipe celeste:

– Eu lembro que alguns meninos estavam apenas começando a jogar. Como o Gladstone, que entrou de titular só naquele jogo porque tínhamos alguns desfalques. E a gente brincava com ele para ele ficar tranquilo. Era um menino muito bacana e humilde. Na palestra brincávamos muito com ele, para ele não ficar nervoso. Perguntávamos se ele ia precisar de uma fralda para ir pro jogo. Nós éramos mesmo uma família.

Carregados por esse espírito de união e companherismo e empurrados por um Mineirão abarrotado de vozes cruzeirenses, Aristizábal e companheiros derrotaram o Flamengo por 3 a 1 e conquistaram a Copa do Brasil pela quarta vez na história do clube.

Passados 14 anos daquela decisão, para Aristizábal as expectativas para a decisão da próxima quarta-feira são as melhores possíveis. A final terá três conterrâneos de Aristigol – todos pelo lado rubro-negro – além de um dos clubes que o atacante defendeu e expressa grande admiração. Da Colômbia, o ex-atacante mostrou estar ligado na trajetória dos colombianos do Fla.

– Acompanho bastante. Acredito que o Flamengo tem um treinador muito bom. O Berrío não é um atacante de muitos gols, mas desequilibra muito na frente. Ele protagonizou um dos melhores lances que tivemos no futebol em 2017 – comentou Aristizábal, que destacou a valorização do jogador colombiano e encheu a bola do futebol brasileiro:

– Hoje o jogador colombiano tem muito prestígio no Brasil. Para mim, jogar no Brasil não deixa a desejar em nada para a Europa. O Brasil é um país maravilhoso para se jogar futebol.

Ao final da entrevista, a equipe da CBF TV exibiu a Aristizábal uma mensagem de Gustavo Cuéllar, volante colombiano do Flamengo que estará na final desta quarta-feira. O jogador rubro-negro mostrou admiração pelo ídolo do futebol colombiano, que retribuiu:

– Um abraço para Gustavo. Torço muito por ele, Berrío e Rueda, além da comissão técnica do Flamengo que tem muitos colombianos. Mas, eu tenho um carinho muito grande pelo Cruzeiro. Passei muitas coisas boas em Minas. Infelizmente não consegui ficar mais tempo no clube, mas adoro o Cruzeiro – respondeu Aristizábal, que garantiu que estará de olho no jogaço desta quarta-feira:

– Vou estar ligado. Tomara que os colombianos vão muito bem, mas torço muito pelo Cruzeiro porque joguei e ganhei títulos por lá. Quero que todos vão muito bem e o Cruzeiro seja campeão.

Nesta quarta-feira (27), Cruzeiro/MG e Flamengo/RJ se enfrentam pela segunda partida da decisão do torneio mais democrático do país. No duelo de ida no Maracanã, um empate por 1 a 1 colocou mineiros e cariocas em igualdade para o confronto desta quarta-feira, desta vez no Mineirão, em Belo Horizonte (MG). 

Leia mais

Nossos patrocinadores