Família de Éderson viaja o país para vê-lo na final da Copa do Brasil Sub-20

Família de Éderson viaja o país para vê-lo na final da Copa do Brasil Sub-20

Natural de Campo Grande, meia contará com reforços na torcida para o jogo contra o Palmeiras

Éderson durante treinamento na Toca da Raposa

Créditos: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Ederson ainda não consegue esconder a timidez. Natural de Campo Grande, o meia defende o Cruzeiro desde o ano passado e tem se adaptado bem ao clube e à cidade de Belo Horizonte. Nesta quinta-feira, o meia terá um de seus jogos mais importantes desde que chegou a Raposa, e receberá um apoio muito importante para se sentir mais em casa. Sua mãe, Edilene, e sua irmã, Luísa, viajaram mais de mil quilômetros para vê-lo jogar a final da Copa do Brasil Sub-20, contra o Palmeiras.

- Sinceramente, eu penso muito no título, na gente levantando essa taça. Fico um pouco mais ansioso por poder fazer isso com meus familiares. Fico ansioso para que chegue logo o momento - declarou.

Foi da família de Ederson que veio o apoio quando ele mais precisava. O meia foi descoberto pelo empresário aos 13 anos de idade, e se transferiu para o Desportivo Brasil, no interior de São Paulo. Quando a saudade batia forte, a família entrava em cena, mesmo que a distância.

Mas a vida no Cruzeiro vai muito bem, obrigado. Destaque das categorias de base da Raposa, o meia chegou a integrar o elenco profissional. Mas a temporada começou a ficar cada vez mais intensa e ele reforçou a equipe sub-20 da Raposa. Em sete partidas, fez três gols e foi um dos líderes do Cruzeiro na campanha que levou o time até a final da Copa do Brasil.

No jogo de ida, o Cruzeiro perdeu por 2 a 1 na Allianz Parque. Mas nem mesmo o resultado negativo tirou a confiança de Éderson.

- Estamos muito confiantes. Esse gol fora de casa foi muito importante para a gente. Estamos vivos no campeonato, temos grandes chances. E agora jogando em casa, no Independência, que é um lugar muito especial para mim.

Não é à toa que Éderson considera o Independência um lugar especial. Foi lá, em 2018, que o meia fez sua primeira partida pela Seleção Brasileira Sub-20. Então comandado pelo técnico Carlos Amadeu, o Brasil empatou com a Colômbia por 0 a 0 em um amistoso no estádio do América-MG.

Um jogo que poderia ser esquecido por muita gente, mas que nunca sairá da memória dele.

- Fica uma expectativa muito alta, por já ter jogado lá com a Seleção Brasileira. Voltar para lá para jogar uma final de Copa do Brasil... São dois momentos muito felizes da minha vida. Sempre tem aquela ansiedade para descobrir como vai ser - destacou.

PATROCINADORES

Futebol Brasileiro