Copa do Brasil: campanhas de Flamengo e Cruzeiro

Copa do Brasil: campanhas de Flamengo e Cruzeiro

Dados do Wyscout dão um panorama do estilo de jogo de Cruzeiro e Flamengo, finalistas da Copa do Brasil de 2017

Patch especial da Final da Copa do Brasil 2017 Patch especial da Final da Copa do Brasil 2017
Créditos: Fernando Torres / CBF

Flamengo e Cruzeiro. Cruzeiro e Flamengo. As duas equipes protagonizam mais uma decisão de Copa do Brasil. A primeira foi em 2003. Naquele ano, o Cruzeiro comandado por Vanderlei Luxemburgo e liderado por Alex, Gomes e companhia derrotou o Flamengo de Felipe, Edílson, Júlio César e Athirson, e levou o caneco para Belo Horizonte. Exatos 14 anos depois, as equipes reeditam aquela decisão em vermelho, preto e azul. A sétima final de Copa do Brasil dos clubes. O Cruzeiro é tetracampeão (1993, 1996, 2000 e 2003). O Flamengo é tri (1990, 2006 e 2013).

Na atual edição da competição, tanto Cruzeiro quanto Flamengo apresentam números que justificam as respectivas presenças na decisão. A equipe celeste disputou a competição desde a primeira fase e realizou 12 jogos até a final. Segundo dados do Wyscout, foram 22 gols marcados no torneio – média de 1,83 por jogo. Em suas partidas, a Raposa tem média de 47% de posse de bola. Apesar de ficar menos com a bola, o Cruzeiro joga um futebol direto e vertical, próximo à área adversária. E as estatísticas mostram bem esse estilo: a equipe cria em média 9,5 chances por jogo, finaliza 11,6 vezes – 57% dos chutes são de fora da área, e explora pouco os contra-ataques: apenas 3,8 por partida. O Cruzeiro aposta na compactação da defesa – rouba 83,4 bolas por jogo – e busca o gol sempre que tem a bola nos pés.

Já o Flamengo entrou na competição na Quinta Fase (Oitavas de final), em função da participação na Libertadores deste ano. Ao todo, o Rubro-Negro disputou seis confrontos até o caminho da finalíssima da Copa do Brasil. E as estatísticas, mais uma vez, refletem o esquema e estilo de jogo do time na temporada. O Mais Querido controla a bola 53% do tempo de jogo. Com isso, troca em média 429 passes por jogo. O aproveitamento bate os 85%. Assim, a equipe se vale do velho ditado de que a melhor defesa é o ataque – conserva a posse de bola e combate o adversário no campo de defesa. Por isso, são 78,8 roubadas de bola por jogo. Com um futebol veloz e apoiado pelas laterais do campo, o Rubro-Negro explora os contra-ataques como estratégia para desmontar os adversários: de acordo com números do Wyscout, são 5,6 contra-ataques por partida. A chegada pelos lados do campo complementa o jogo incisivo da equipe, com média de 4,1 cruzamentos por duelo e cerca de 11 chutes a gol por jogo. Um perigo iminente para a zaga rival.

As finais da Copa do Brasil de 2017 já batem à porta. Neste dia 7 de setembro, a primeira partida será disputada no Maracanã às 21h45 e o primeiro passo rumo ao título será dado. No duelo entre rivais de longa data, só se pode esperar por um ótimo espetáculo de futebol. 

PATROCINADORES

Futebol Brasileiro Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports