A força que vem do banco: quem pode decidir a Copa do Brasil?

A força que vem do banco: quem pode decidir a Copa do Brasil?

Final da Copa do Brasil pode criar ídolos de Internacional e Athletico-PR; muitas vezes, eles saem do banco direto para a história

Athletico Paranaense venceu o Internacional por 1 a 0, em jogo de ida da final da Copa do Brasil de 2019

Créditos: Gabriel Machado/AGIF

Uma final de campeonato se ganha nos detalhes. Durante os 90 minutos de uma decisão, tudo importa. Do lado de fora do campo, os técnicos travam um duelo estratégico que pode influenciar no placar da partida. Não foram poucos os títulos decididos por reservas acionados pelos treinadores. Na final da Copa do Brasil, desta quarta-feira, Internacional e Athletico-PR contam com trunfos para mudar o rumo da decisão.

O técnico Odair Hellmann costuma iniciar as partidas com o meia-atacante Andes D'Alessandro aberto pelo lado direito do ataque. Mas o argentino sofreu uma pancada no treino da última segunda-feira. Sem estar 100%, deve começar no banco, oferecendo uma importante arma para o técnico colorado.

No lugar de D'Ale, Odair pode acionar Wellington Silva ou Rafael Sóbis. São estilos diferentes. Enquanto Wellington oferece um jogo mais agudo, Sóbis cadencia mais o jogo. Independente disso, os dois devem estar prontos para a decisão se acionados. De acordo com o preparador físico do Inter, Cristiano Nunes, a maneira como os jogadores têm levado o trabalho no clube contribui para que ausências como essa sejam menos sentidas.

- Isso tem sido um fator importante para manter um grupo homogêneo e no mesmo nível técnico e físico. Podemos ver que os titulares têm ficado de fora devido ao número de competições e o time dito suplente consegue manter o mesmo nível de atuação. Estou feliz com o desempenho de todos e o grupo do Internacional está de parabéns.

Na última final de Copa do Brasil, o homem do título também veio do banco. Após uma extensa viagem pela Seleção Uruguaia, o meia Giorgian De Arrascaeta ficou entre os reservas do Cruzeiro. Acionado no segundo tempo pelo técnico Mano Menezes, o camisa 10 fez o gol que garantiu a vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians, em São Paulo.

Internacional e Athletico Paranaense na final da Copa do Brasil Marcelo Cirino marca Patrick durante o jogo de ida da final da Copa do Brasil
Créditos: Ricardo Duarte/Internacional

Do lado do Athletico, o técnico Tiago Nunes também tem peças importantes no banco de reservas. Autor do único gol do Furacão na final da Copa do Brasil de 2013, o atacante Marcelo Cirino deve começar a partida entre os suplentes. Com história no clube, Cirino pode ser uma boa válvula para os contra-ataques do Rubro-negro na partida desta quarta-feira.

Quem também deve aparecer no banco de reservas do Athletico é o argentino Lucho González. Aos 38 anos, é um dos mais veteranos desta final e pode contribuir com muita experiência nesta final. 

E aí, qual é a sua aposta? De onde virá o grande herói da Copa do Brasil 2019? Todos os caminhos levam ao Beira Rio, que nos dará a resposta.

PATROCINADORES

Futebol Brasileiro