Audax: campeão inédito da Copa do Brasil Feminina

Audax: campeão inédito da Copa do Brasil Feminina

Veja como foi a 10ª edição da Copa do Brasil Feminina, que teve o Audax/Corinthians como vencedor pela primeira vez

UDA-AL e Vitória-PE se enfrentaram na primeira fase da Copa do Brasil Feminina e, com duas vitórias, a equipe pernambucana saiu classificada

UDA-AL e Vitória-PE se enfrentaram na primeira fase da Copa do Brasil Feminina e, com duas vitórias, a equipe pernambucana saiu classificada

Créditos: Reprodução / Facebook Vitória-PE

Criciúma e Foz Cataratas estrearam na competição com um empate simples

Criciúma e Foz Cataratas estrearam na competição com um empate simples

Créditos: Christian Rizzi / Foz Cataratas

Na volta o Foz Cataratas venceu por 3 a 0 e garantiu vaga na segunda fase da Copa do Brasil

Na volta o Foz Cataratas venceu por 3 a 0 e garantiu vaga na segunda fase da Copa do Brasil

Créditos: Christian Rizzi / Foz Cataratas

Os dois jogos entre Santos e Mixto na primeira fase somaram 21 gols, o maior número da etapa. O Santos venceu na ida por 10 a 0 e na volta fez 11 a 0

Os dois jogos entre Santos e Mixto na primeira fase somaram 21 gols, o maior número da etapa. O Santos venceu na ida por 10 a 0 e na volta fez 11 a 0

Créditos: Pedro Ernesto Guerra Azevedo / Santos

Após passar pelo Estância Velha com sufoco na primeira fase, a Chapecoense acabou eliminada pelo Foz Cataratas ao perder por 1 a 0 e 5 a 0

Após passar pelo Estância Velha com sufoco na primeira fase, a Chapecoense acabou eliminada pelo Foz Cataratas ao perder por 1 a 0 e 5 a 0

Créditos: Christian Rizzi / Foz Cataratas

Vitória e Cresspom encontraram-se nas quartas de final e quem saiu com a melhor foi o time de Brasília, com duas vitórias: 1 a 0 e 2 a 0

Vitória e Cresspom encontraram-se nas quartas de final e quem saiu com a melhor foi o time de Brasília, com duas vitórias: 1 a 0 e 2 a 0

Créditos: Divulgação / Vitória-PE

Também nas quartas, o São José venceu o JV Lideral fora de casa por 1 a 0 e dentro dos domínios próprios goleou por 5 a 0, classificando-se para semifinal

Também nas quartas, o São José venceu o JV Lideral fora de casa por 1 a 0 e dentro dos domínios próprios goleou por 5 a 0, classificando-se para semifinal

Créditos: Arthur Marega Filho / São José Futebol Feminino

Pela primeira vez jogando em casa nesta edição da Copa do Brasil, o Flamengo empatou em 1 a 1 com o Audax, no CEFAN

Pela primeira vez jogando em casa nesta edição da Copa do Brasil, o Flamengo empatou em 1 a 1 com o Audax, no CEFAN

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Os gols foram marcados por Larissa, pelo Flamengo, e Chu Santos, artilheira, pelo Audax

Os gols foram marcados por Larissa, pelo Flamengo, e Chu Santos, artilheira, pelo Audax

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

No jogo de volta, em Osasco, bastou uma vitória simples para o Audax chegar na semifinal da Copa do Brasil

No jogo de volta, em Osasco, bastou uma vitória simples para o Audax chegar na semifinal da Copa do Brasil

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

As semifinais chegaram com jogos disputados. De um lado, São José e Foz Cataratas, do outro, Cresspom e Audax

As semifinais chegaram com jogos disputados. De um lado, São José e Foz Cataratas, do outro, Cresspom e Audax

Créditos: Christian Rizzi / Foz Cataratas

Entre Foz e São José a equipe de São Paulo que chegou até a final. Empatou em 1 a 1 e venceu por 4 a 2

Entre Foz e São José a equipe de São Paulo que chegou até a final. Empatou em 1 a 1 e venceu por 4 a 2

Créditos: Arthur Marega Filho / São José Futebol Feminino

O duelo entre Cresspom e Audax foi mais apertado. Na ida deu Audax, por 2 a 0, na volta a vitória foi do Cresspom, por 2 a 1, mas o resultado não foi suficiente para reverter a vantagem da equipe de Osasco

O duelo entre Cresspom e Audax foi mais apertado. Na ida deu Audax, por 2 a 0, na volta a vitória foi do Cresspom, por 2 a 1, mas o resultado não foi suficiente para reverter a vantagem da equipe de Osasco

Créditos: Adriano Stofaleti / Audax

A final da Copa do Brasil Feminina foi entre duas equipes do estado de São Paulo. São José e Audax fizeram os melhores resultados e chegaram à decisão

A final da Copa do Brasil Feminina foi entre duas equipes do estado de São Paulo. São José e Audax fizeram os melhores resultados e chegaram à decisão

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

O primeiro jogo, em São José dos Campos, terminou empatado em 2 a 2. Na volta, em Osasco, o Audax bateu o São José por 3 a 1 e sagrou-se campeão

O primeiro jogo, em São José dos Campos, terminou empatado em 2 a 2. Na volta, em Osasco, o Audax bateu o São José por 3 a 1 e sagrou-se campeão

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Esta foi a primeira vez que Audax/Corinthians participou da Copa do Brasil Feminina e o título rendeu à equipe uma vaga na Libertadores e no Brasileirão Feminina Série A 1 de 2017

Esta foi a primeira vez que Audax/Corinthians participou da Copa do Brasil Feminina e o título rendeu à equipe uma vaga na Libertadores e no Brasileirão Feminina Série A 1 de 2017

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Ao São José, bicampeão, não veio o título, mas à técnica Emily Lima um convite logo após a decisão: ser a primeira mulher a treinar a Seleção Feminina principal

Ao São José, bicampeão, não veio o título, mas à técnica Emily Lima um convite logo após a decisão: ser a primeira mulher a treinar a Seleção Feminina principal

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

A Copa do Brasil de Futebol Feminino de 2016 teve um campeão inédito: Audax/Corinthians. Para levantar o caneco, o Audax precisou deixar para trás cinco equipes: Pinheirense, Santos, Flamengo, Cresspom e São José, respectivamente. Além do título, a artilharia da competição também ficou em Osasco (SP). Chu Santos, atacante de 26 anos, fez 12 gols nesta edição e terminou como maior goleadora. O São José ficou com o segundo lugar.

Chu Santos: “Acreditar em todas as bolas”

Audax/Corinthians é uma parceria entre os dois clubes que teve início nesta temporada. Mesmo com pouco tempo de formação, a equipe participou dos campeonatos Brasileiro e Paulista. Pela primeira vez, juntas, estiveram presentes na Copa do Brasil Feminina. Com o título, também garantiram vaga na próxima Libertadores da modalidade e no Campeonato Brasileiro Série A1, de 2017.

A 10ª edição da Copa do Brasil Feminina começou em 24 de agosto, com 32 equipes. O torneio foi dividido em cinco fases e, nas duas primeiras etapas, as equipes visitantes que venceram por três ou mais gols de diferença eliminaram o jogo de volta. O sistema da competição é mata-mata, ou seja, a cada fase um time de cada confronto classifica-se para a etapa seguinte.

Veja o Regulamento Específico da Copa do Brasil de Futebol Feminino 2016

A Copa do Brasil de Futebol Feminino foi criada em 2007. Em nove edições, apenas Santos e São José conseguiram o bicampeonato. Os cinco últimos campeões foram: São José, em 2012 e 2013, Ferroviária, em 2014, Kindermann, em 2015, e Audax/Corinthians, em 2016. Na liderança isolada da artilharia, a craque Marta tem 18 gols marcados pelo Santos, em 2009. Atrás dela, Daniela Alves, 14 gols em 2007 pelo MS/Saad, e agora, ultrapassando Thaisinha (10 gols) em 2011 pelo Vitória-PE, Chu Santos entra para a lista de maiores goleadoras da competição, com 12 gols. Outra curiosidade são as maiores goleadas, que aconteceram na edição de 2012, quando o Vitória-PE fez 15 a 0 no América-RN, e nesta temporada, com o São Francisco-BA eliminando o Boca Junior-SE pelo mesmo placar ainda na primeira fase.

A competição também já teve a participação de jogadoras da Seleção, como a goleira Bárbara, a atacante Cristiane, e as craques Formiga e Marta.

Primeira fase

Na primeira rodada de jogos, a Copa do Brasil teve três equipes eliminando os jogos de volta. O São Francisco, que participou de nove das 10 edições da competição, fez 15 a 0 no Boca Júnior-SE e antecipou sua classificação para a segunda fase. Assim como a equipe baiana, o São José mandou para casa o Intercap-TO vencendo por 3 a 0, e o Flamengo despachou o Oratório por 7 a 0.

A primeira fase teve também um número alto de gols. As redes foram balançadas 138 vezes, recorde das últimas cinco edições (2012 a 2016). Os três maiores placares foram Boca Júnior 0 x 15 São Francisco, Santos 10 x 0 Mixto e Mixto 0 x 11 Santos.

Teve placar elástico, mas também teve tensão e decisão no último minuto. Jogando em Porto Alegre, Estância Velha e Chapecoense empataram em 2 a 2. Na partida de volta, o placar se repetia até o último minuto, quando a atacante Milena mudou a história e, com um gol, evitou que a vaga fosse decidida nos pênaltis. 

  • UDA 2 x 4 Vitória – Vitória 3 x 2 UDA

  • Barcelona 1 x 0 Comercial – Comercial 3 x 5 Barcelona

  • Cresspom 7 x 0 Aliança – Aliança 1 x 1 Cresspom

  • União 3 x 1 Caucaia – Caucaia 2 x 4 União

  • Náutico 0 x 1 Botafogo-PB – Botafogo-PB 3 x 1 Náutico

  • Boca Júnior 0 x 15 São Francisco

  • Estância Velha 2 x 2 Chapecoense – Chapecoense 3 x 2 Estância Velha

  • Criciúma 1 x 1 Foz Cataratas – Foz Cataratas 3 x 0 Criciúma

  • JV Lideral 2 x 2 Tiradentes – Tiradentes 2(3) x 2(5) JV Lideral

  • São Raimundo 0 x 1 Iranduba – Iranduba 5 x 0 São Raimundo

  • Vila Nova-ES 4 x 0 Ipatinga – Ipatinga 1 x 1 Vila Nova-ES

  • Intercap 0 x 3 São José

  • Porto Club 1 x 1 Atlético-AC – Atlético-AC 1 x 0 Porto Club

  • Oratório 0 x 7 Flamengo

  • Santos 10 x 0 Mixto – Mixto 0 x 11 Santos

  • Audax 9 x 0 Pinheirense – Pinheirense 0 x 2 Audax

 
Segunda fase
 
Chapecoense, Foz Cataratas, Audax, Santos, Cresspom, Iranduba, JV Lideral, Caucaia, Botafogo-PB, São Francisco, Atlético-AC, São José, Vitória-PE, Comercial, Vila Nova-ES e Flamengo chegaram às oitavas de final. Nesta fase, mais três vagas foram decididas ainda no primeiro jogo. O São José bateu o Atlético por 13 a 0 (maior goleada da etapa), o Vitória eliminou o Comercial fazendo 6 a 1 e o Flamengo venceu o Vila Nova por 6 a 0.
 
O São José passou bem pela primeira fase e, na segunda, ainda ganhou o reforço de uma jogadora experiente. Rosana, que havia deixado o clube meses antes, retornou à equipe para disputa da Copa do Brasil. A meia tem no currículo duas medalhas olímpicas com a Seleção Brasileira: Atenas 2004 e Pequim 2008.
 
O primeiro clássico estadual foi na segunda fase. Considerada uma final antecipada, Audax e Santos enfrentaram-se em dois jogos. A ida foi vencida pela equipe de Osasco, por 3 a 0 e, apesar da confiança santista na virada, o jogo de volta terminou empatado em 2 a 2, com a classificação do Audax. Chu Santos, a artilheira, marcou nos dois jogos ampliando a vantagem sobre as goleadoras concorrentes.

Com menos clubes e mais dificuldade, a segunda fase da Copa do Brasil teve 53 gols marcados, uma diferença de 85 tentos para a primeira etapa.

Caio Couto exalta dedicação das Sereias da Vila

  • Chapecoense 0 x 1 Foz Cataratas – Foz Cataratas 5 x 0 Chapecoense

  • Audax 3 x 0 Santos – Santos 2 x 2 Audax

  • Cresspom 1 x 0 Iranduba – Iranduba 2 x 1 Cresspom

  • JV Lideral 6 x 0 Caucaia – Caucaia 0 x 3 JV Lideral

  • Botafogo-PB 0 x 1 São Francisco – São Francisco 0 x 0 Botafogo-PB

  • Atlético-AC 0 x 13 São José

  • Comercial 1 x 6 Vitória

  • Vila Nova-ES 0 x 6 Flamengo

 

Quartas de final

Flamengo e São José só jogaram em casa na terceira fase da competição. Nas duas primeiras, as equipes eliminaram o jogo de volta e não tiveram a chance de jogar em domínios próprios. Como nas quartas de final as duas partidas são obrigatórias, qualquer resultado de ida forçaria a volta.

O São José venceu o JV Lideral por 1 a 0 e 5 a 0, garantindo a classificação. O Flamengo empatou com o Audax a primeira em 1 a 1 e perdeu a segunda por 1 a 0, dando adeus ao sonho da conquista de mais uma competição nacional no ano. No primeiro semestre, o Rubro-Negro sagrou-se campeão do Brasileirão Feminino.

O encontro entre Flamengo e Audax foi marcado também por duas parcerias que deram certo. No lado carioca, Tânia Maranhão e Karen Lang formavam a sólida defesa Rubro-Negra e, pela equipe de Osasco, a parceria de longa data de “Tico e Teco”: a zagueira Koki e a atacante Grazi.

Reveja: Técnicos analisaram empate entre Flamengo e Audax/Corinthians

Com a competição afunilando, o número de gols diminuiu. Desta vez as redes foram balançadas apenas 19 vezes. O que não mudou foi a artilheira Chu Santos marcando mais uma vez. 

  • Vitória 0 x 1 Cresspom – Cresspom 2 x 0 Vitória

  • São Francisco 0 x 0 Foz Cataratas – Foz Cataratas 6 x 1 São Francisco

  • JV Lideral 0 x 1 São José – São José 5 x 0 JV Lideral

  • Flamengo 1 x 1 Audax – Audax 1 x 0 Flamengo

 

 

Semifinais

Confira o histórico das equipes semifinalistas

As semifinais chegaram com uma disputa paralela. Além das vagas pelo título, no confronto Audax x Cresspom também estava em jogo a artilharia da competição. Na liderança, Chu Santos, do Audax, com 10 gols. Na cola estava Dany Helena, do Cresspom, com sete tentos. Com o faro de gol pelos dois lados e a possibilidade de uma reviravolta entre as goleadoras, o duelo teve um toque a mais.

Na partida de ida, o Audax venceu por 2 a 0, mas nenhum pelos pés de Chu Santos. Na volta, a vitória ficou com a equipe do Distrito Federal por 2 a 1. Dany Helena marcou os dois gols do Cresspom, mas, além de não ser o suficiente para alcançar a concorrente, Chu marcou o único gol do Audax continuando à frente e classificando o time de Osasco.

Na outra semifinal, Foz Cataratas teve a dura missão de encarar o São José, que chegou nesta etapa vencendo todos os compromissos e com o saldo de gols sofridos zerado. Fato este que seria resultado do entrosamento entre as jogadoras, segundo a técnica Emily Lima.

Por falar em Emily Lima, a boa campanha da treinadora com o São José, somada ao currículo vitorioso e às passagens pelas categorias de base da Seleção Feminina, renderam à profissional o convite para voltar a comandar a Seleção, desta vez com a equipe principal.

Técnica do São José, Emily Lima fala sobre função

  • Foz Cataratas 1 x 1 São José – São José 4 x 2 Foz Cataratas

  • Audax 2 x 0 Cresspom – Cresspom 2 x 1 Audax

 

Final

São José: experiência em finais nacionais

Com transmissão da CBF e comentários do técnico olímpico Vadão, a grande final da Copa do Brasil Feminina foi decidida no segundo clássico estadual desta temporada. Audax e São José chegaram na última fase com belas campanhas e deixaram toda emoção para o jogo decisivo. Na ida, empataram em 2 a 2, jogando em São José dos Campos, e na volta, em Osasco, 3 a 1 para o Audax com um gol de Chu Santos, ampliando a marca na artilharia e entrando para a história da competição como a terceira maior artilheira, atrás apenas de Marta (18) e Daniela Alves (14). Com estes resultados, o Audax sagrou-se campeão da Copa do Brasil Feminina de 2016.

O terceiro gol do Audax na partida de volta veio dos pés de Gabi Nunes. A atacante, convocada pelo técnico Doriva Bueno para o Mundial Sub-17 da Papua-Nova Guiné, foi liberada para a disputa da final, assim como a lateral-esquerda Yasmim, do São José.

Na final, as redes foram balançadas oito vezes. Reveja os gols dos dois jogos:

Bastidores do título inédito do Audax/Corinthians

Audax Corinthians conquista título da Copa do Brasil Feminina

PATROCINADORES

Futebol Brasileiro