CBF se estabelece como pioneira por trás do uso do VAR

CBF se estabelece como pioneira por trás do uso do VAR

Tecnologia será implementada na Série A do Brasileirão 2019. Projeto foi elaborado pelo brasileiro Manoel Serapião e teve apoio da CBF em nível global

Bastidores das reuniões e detalhes do trabalho da arbitragem na partida, realizada na Arena Corinthians, em 26 de setembro de 2018 Bastidores das reuniões e detalhes do trabalho da arbitragem na partida, realizada na Arena Corinthians, em 26 de setembro de 2018
Créditos: Fernando Torres / CBF

Nesta sexta-feira (22), o futebol brasileiro escreveu mais uma página marcante em sua história. Na sede da CBF, durante a realização do Conselho Técnico da Série A, foi aprovado o uso do sistema de árbitro de vídeo (VAR, na sigla original em inglês) no Campeonato Brasileiro, introduzindo a novidade à elite do esporte nacional.

A história da implementação do VAR no futebol é diretamente conectada à atuação da CBF. Afinal, o texto do protocolo do uso do árbitro de vídeo foi escrito e enviado pela Comissão de Arbitragem da CBF, colocando a entidade como pioneira na defesa de melhores condições aos árbitros.

Brasileiro e CBF são peças-chave para uso do VAR pelo mundo

É fato que a tecnologia se faz cada dia mais presente no mundo do futebol. Todavia, antes que o uso do VAR chegasse de fato aos gramados, coube à CBF assumir o protagonismo em defesa do uso do recurso. Tido como o principal incentivador da tecnologia no futebol, o brasileiro Manoel Serapião foi o autor do projeto base aceito pela International Football Association Board (IFAB) referente ao VAR. A CBF, por sua vez, assumiu a vanguarda e foi a primeira entidade a provocar a implementação da tecnologia.

Em setembro de 2015, a CBF enviou a base das diretrizes do protocolo posteriormente aceito pela IFAB. Alguns meses depois, em março de 2016, as decisões do Campeonato Carioca entre Botafogo e Vasco já tiveram um treinamento offline da tecnologia.

- Foi o Brasil o país que iniciou todo esse movimento para a utilização do árbitro de vídeo, de ajuda tecnológica para a arbitragem. Nós participamos desde a origem. A CBF conquistou essa marca que não nos tiram e que temos que comemorar. Eu me sinto muito feliz por participar de tudo isso. Não apenas pessoalmente, mas principalmente por estar contribuindo para o desenvolvimento do futebol - disse Manoel Serapião, à reportagem da CBF, durante a realização do 2º Curso de Capacitação Árbitro Assistente de Vídeo, em julho de 2018.


Uso nos estaduais

A nível regional, o VAR foi utilizado pela primeira vez na final do Campeonato Pernambucano de 2017 entre Salgueiro e Sport. Um dos principais personagens dessa história foi o árbitro Péricles Bassols, que analisou as imagens na cabine ao lado de Manoel Serapião FIlho e Alício Pena Júnior. Na partida de ida, a tecnologia auxiliou na marcação correta de um pênalti para o Salgueiro. Já na volta, o VAR foi decisivo para a anulação de um gol salgueirense.

Além disso, a tecnologia já esteve presente em um Gre-Nal no Campeonato Gaúcho e a decisão do Campeonato Catarinense.


Estreia em partidas da CBF

A primeira utilização do VAR em uma competição da CBF aconteceu nas quartas de final da Copa do Brasil de 2018, no duelo entre Santos e Cruzeiro. O lance analisado em questão foi um possível pênalti de Lucas Romero no atacante Gabriel.

O árbitro Wilton Pereira Sampaio esteve em contato com a cabine, retomando o andamento da partida após 27 segundos de paralisação. Como nenhuma irregularidade no lance foi detectada, o juiz sequer teve que se deslocar ao posto do vídeo.

A filosofia do VAR

Vale lembrar que o uso do árbitro de vídeo tem como lema “interferência mínima, benefício máximo”. A utilização da tecnologia visa diminuir erros claros nas seguintes situações:

- Gol / Não gol
- Penalidade/Sem penalidade
- Cartão vermelho direto
- Identificação equivocada

PATROCINADORES

Futebol Brasileiro Nike Itaú VIVO Guaraná Antártica Mastercard GOL CIMED Semp TCL FIAT 3 Corações Techno GYM STAT Sports