Vitor Pereira: “Brasil é elite na arbitragem"

Vitor Pereira: “Brasil é elite na arbitragem"

Presidente da Comissão de Arbitragem falou sobre o planejamento do setor em seu país e elogiou o trabalho realizado no futebol brasileiro

Semana do Futebol

Semana do Futebol

Créditos: Ricardo Stuckert / CBF

Semana do Futebol

Semana do Futebol

Créditos: Ricardo Stuckert / CBF

Semana do Futebol

Semana do Futebol

Créditos: Ricardo Stuckert / CBF

Semana do Futebol

Semana do Futebol

Créditos: Ricardo Stuckert / CBF

A Semana de Evolução do Futebol Brasileiro abriu a terça-feira (26) com o debate “Arbitragem: elevando a qualidade e a confiança na arbitragem nacional”. Em sua exposição, o presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vitor Pereira, falou sobre o planejamento do setor em seu país e elogiou o trabalho realizado no Brasil.

Segundo Pereira, as regras não andam no mesmo ritmo das evoluções táticas e físicas do futebol. Ele ressalta que o esporte mais popular do mundo exige capacidade atlética e extrema velocidade de raciocínio por parte dos árbitros.

– O Brasil é um país de elite na arbitragem. Quando tratamos de futebol, não é apenas o esporte. Estamos falando de um espetáculo desportivo que tem como principal atração uma partida de futebol – afirmou Vitor, que também é instrutor de Arbitragem da FIFA.

Treinamento é o caminho

De acordo com o português, as soluções para o aperfeiçoamento constante da arbitragem passam por aumento do número de árbitros, tecnologia, investimento e qualidade de formação. Para Vitor, a atividade deve ser estruturada em três pilares fundamentais: técnico, físico e mental.

– Nosso desafio é aumentar o índice de acerto dos árbitros de alto nível do futebol mundial. Em Portugal, criamos o Plano Nacional de Formação de Árbitros e Observadores, padronizando a metodologia de ensino e avaliação em todo o território.

No fim da apresentação, o presidente da Comissão de Arbitragem mostrou a estrutura montada pela Federação Portuguesa de Futebol e suas afiliadas. São 38 centros de treinamento (CTs), com um campo, instrutor técnico e preparador físico, recursos que os árbitros utilizam duas vezes por semana.