Catalina Navarro: bastidores dos eventos UEFA

Catalina Navarro: bastidores dos eventos UEFA

Head de Operações Comerciais dos eventos da UEFA apresentou os procedimentos realizados para os confrontos da UEFA Champions League

Somos Futebol: Competições e Operações - Catalina Navarro

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

A 2ª Semana de Evolução do Futebol Brasileiro segue nesta quarta-feira (10) e teve, neste terceiro dia do evento, o tema "Competições e Operações – A importância para uma competição da experiência em dia de jogo" abrindo os debates. Catalina Navarro, Head de Operações Comercias UEFA Events, fechou a manhã comentando sobre os procedimentos adotados pela UEFA antes dos jogos da Champions League.

Catalina iniciou seu discurso agradecendo à CBF por participar do evento e afirmou que o sucesso de uma competição se dá pela relação entre clubes, emissoras, patrocinadores e entidade. Durante a palestra, a head falou sobre aspectos comerciais, produto e marca UEFA e o detalhamento sobre realização dos eventos.

A representante da UEFA dedicou seu tempo para comentar sobre a maior competição de clubes da Europa, que existe desde 1956 e teve, inicialmente, o nome de Copa dos Campeões. O Real Madrid foi o campeão nas cinco primeiras edições. Com o passar do tempo, o torneio se modernizou e, desde 1992, é chamado de Liga dos Campeões da Europa, com o objetivo de maximizar o torneio e gerar visibilidade e retorno a nível mundial. Inicialmente era disputada por oito equipes e, atualmente, 32 clubes disputam o troféu mais cobiçado entre os times da Europa.

O troféu da Champions, o logo da competição, o hino e o bandeirão são pontos que foram massificamente investidos para que se criasse uma identificação com a marca. O alcance internacional que a Liga dos Campeões alcança vem do fato de ter os melhores clubes, os melhores atletas e o melhor futebol jogado, na opinião de Catalina. 

– O sucesso da competição não é somente responsabilidade da UEFA. Há toda uma estrutura para que seja alcançado a excelência e, por isso, os patrocinadores, os clubes e, principalmente, as emissoras de TV precisam agir conforme planejamos para que alcancemos o objetivo. Nossos patrocinadores realizam ações exclusivas que elevam a marca dos mesmos e, assim, levam a competição para áreas fora do continente europeu – afirmou a representante da entidade europeia.

Para que o confronto seja realizado de forma correta, Catalina afirma que há um manual que os parceiros recebem previamente. Além das instruções, os profissionais da UEFA se organizam com antecedência para deixar o palco do duelo no padrão do torneio.

– Nós literalmente vestimos os estádios não só de forma que os torcedores tenham ciência da competição, mas também fora dele. Pensamos principalmente nas emissoras de TV, que é um dos nossos focos principais. Trabalhamos de forma que a nossa marca seja visível durante as transmissões, além de nosso material gráfico estar alinhado com todos os envolvidos. Temos um crivo bastante detalhado, a ponto de não autorizarmos os profissionais que não estão dentro dos padrões da entidade – garantiu a profissional.

A rotina dos profissionais da UEFA nos jogos foi lembrada por Catalina. Os profissionais são divididos em áreas específicas nos estádios, assim como nas competições brasileiras, e ficam em ciclos de três anos atuando no mesmo clube, para que se tenha uma fácil identificação, evitando problemas pré, durante e pós-jogo.

Catalina Navarro encerrou afirmando que o modelo de organização dos eventos da UEFA só alcançou resultado devido ao grande trabalho administrativo e investimento nas competições como um todo, e que pode ser utilizado em qualquer campeonato fora da Europa.