Curso de Gestão de Futebol: Direito Desportivo

Curso de Gestão de Futebol: Direito Desportivo

O Curso de Gestão de Futebol, promovido pela CBF com o Fundo de Legado da Copa do Mundo da FIFA 2014 para o Brasil, chega ao quinto módulo

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Paulo Schmitt - Curso de Gestão de Futebol

Créditos: Rafael Ribeiro / CBF

O Curso de Gestão de Futebol, promovido pela CBF com o Fundo de Legado da Copa do Mundo da FIFA 2014 para o Brasil, chega ao quinto módulo. Depois de estudar História do Esporte / Estrutura e governança, Planejamento Estratégico, Marketing Esportivo e Gestão de Competições, a turma trabalha o tema Direito Desportivo.

As aulas dessa fase começaram nesta quinta-feira (1) e vão até o sábado (3). O primeiro dia incluiu uma aula do procurador-geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt.

O professor abriu o estudo com detalhes sobre a Lei Pelé e o funcionamento do sistema desportivo, explicado a pirâmide Atleta – Clube – Federação – CBF / COB – FIFA / COI.

Schmitt mostrou que o STJD conta com cinco comissões disciplinares e o tribunal pleno, setores que julgam os casos. Ele explicou que o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS/CAS) é a última instância da Justiça Desportiva. De acordo com o procurador, um dos maiores desafio da atualidade é a redução do tempo de conclusão de um processo.

– A média é de 7 a 10 dias para uma primeira decisão e mais 15 dias até a última instância. Os órgãos da Justiça Desportiva são autônomos e independentes das entidades de administração, que organizam as competições. Esse fator valoriza o trabalho dos tribunais e deve ser preservado – afirmou o procurador.