CBF e clubes definem modelo de fair play financeiro para 2020

CBF e clubes definem modelo de fair play financeiro para 2020

Reunião na sede da CBF, no Rio de Janeiro, finaliza moldes do Fair Play Financeiro que será implementado nos próximos anos

Elias Barquete, Marcio Garotti, Cristiano Koehler, Luis Felipe Santoro, Cesar Grafietti e Enio Gualberto

Créditos: Thais Magalhães

Após reuniões entre representantes da CBF, dos clubes brasileiros e da Ernst & Young, foi finalizado o modelo de fair play financeiro para 2020. As regras do modelo escolhido começam a ser utilizadas a partir do ano que vem na Série A (implementação dos primeiros itens) e na Série B (orientação).

Estiveram presentes o Diretor de Registro, Transferência e Licenciamento da CBF, Reynaldo Buzzoni, e o Gerente de Licenciamento da CBF, Ênio Gualberto. Economista e consultor especializado em esportes, César Grafietti compôs o debate com executivos da Ernst & Young e de membros da Associação dos Diretores Financeiros dos Clubes da Série A (executivos de São Paulo, Flamengo, Palmeiras e Internacional representaram todos os times). 

Compreendendo a dimensão e as características únicas do futebol brasileiro, o modelo de fair play financeiro será implementado gradativamente ao longo dos próximos quatro anos, como destacou Buzzoni: 

- O resultado do trabalho é um documento robusto, que será a base do trabalho nos próximos anos. O Fair Play Financeiro é um ponto fundamental para a evolução do futebol brasileiro e crucial para o licenciamento dos clubes. Será um processo gradual, com informação, orientação e, posteriormente, punições.