Curso do CBF Social capacita 40 profissionais de educação em Recife

Curso do CBF Social capacita 40 profissionais de educação em Recife

Nesta quarta-feira (13), atividades de capacitação para o Projeto Gol do Brasil reuniram educadores na Federação Pernambucana de Futebol e na Ilha do Retiro

Projeto Gol do Brasil em Recife - Atividade prática na Ilha do Retiro, estádio do Sport-PE Projeto Gol do Brasil em Recife - Atividade prática na Ilha do Retiro, estádio do Sport-PE
Créditos: Marlon Costa

Formar cidadãos por meio do futebol. Este é o principal ensinamento que o curso de capacitação da CBF busca propagar. Nesta quarta-feira (13), pedagogos, psicólogos, assistentes sociais e educadores físicos iniciaram um período treinamento com metodologia desenvolvida pela CBF e chancelada pela FIFA. Do número total, quatro serão selecionados para ministrar as aulas para mais de 240 crianças que serão beneficiadas pelo projeto Gol do Brasil, em Recife.  

- Nossa primeira aula foi sobre as habilidades de vida e como devemos abordá-las de uma forma mais branda. Queremos que os professores entendam como usá-las também no dia a dia, na prática - disse Bruno Rosell, Coordenador Técnico do CBF Social.

Projeto Gol do Brasil em Recife - Atividade prática na Ilha do Retiro, estádio do Sport-PE Bruno Rosell dando instruções para os profissionais participantes da capacitação
Créditos: Marlon Costa

Pela manhã, os alunos receberam instruções no auditório da Federação Pernambucana de Futebol. De tarde, os participantes foram incentivados a criar exercícios e jogos analíticos que sirvam para passar as habilidades de vida da ONU: autoconhecimento, resolução de problemas, tomada de decisão, pensamento criativo, relacionamento interpessoal, comunicação eficaz, empatia, lidar com sentimentos, lidar com estresse e pensamento crítico. 

Bruno Silva, Instrutor do CBF Social na unidade de Ribeirão Pires (SP), acredita que um professor deve mudar de comportamento em um projeto como o Gol do Brasil. 

Projeto Gol do Brasil em Recife - Atividade prática na Ilha do Retiro, estádio do Sport-PE Bruno Silva, instrutor do CBF Social de Ribeirão Pires (SP)
Créditos: Marlon Costa

- O professor tem que desconstruir a ideia de ser um treinador de futebol. Ele precisa ser conselheiro, orientador e tutor. Em alguns momentos, será necessário fazer o papel de pai ou mãe, ter uma relação próxima com aluno e fazer com que o aluno entenda que o futebol pode promover aprendizagem de convívio social mesmo - disse.

 

 


Veja mais