Pioneira na arbitragem, Silvia Regina é uma das instrutoras da CBF no curso FIFA-RAP Feminino

Pioneira na arbitragem, Silvia Regina é uma das instrutoras da CBF no curso FIFA-RAP Feminino

Ex-árbitra foi a primeira mulher a atuar em uma partida do Campeonato Brasileiro Série A


A segunda turma do FIFA-RAP Feminino continua com os treinamentos e instruções. Na tarde desta quarta-feira (21), as árbitras e assistentes puderam se aprofundar em temas como impedimento, faltas táticas e arbitragem de vídeo. Auxiliando nas explicações, a instrutora Silvia Regina demonstrou todo seu conhecimento de pioneira e conversou com o site da CBF.

Silvia é instrutora de arbitragem da CBF, da Conmebol e da FIFA e é uma das pioneiras da profissão no Brasil. Ela fez história ao ser a primeira mulher a atuar numa partida do Campeonato Brasileiro Série A.

"Eu gosto de falar que eu sou pioneira em apitar jogos de primeira divisão, porque antes de mim existiram outras mulheres que tentaram. Eu fui a pioneira em fazer jogos de grande mídia. Pioneira em ser dirigente de arbitragem na Federação Paulista de Futebol, em ser instrutora de arbitragem pela FIFA, pela Conmebol, pela CBF, pela FPF. Também fui pioneira em ser observadora VAR, tanto da Federação Paulista, quanto da CBF e da Conmebol, e hoje sou instrutora VAR."

A instrutora comentou sobre a importância da realização deste curso e reforçou que iniciativas como essa acrescentam muito para a árbitras e assistentes.

Instrutora Silvia Regina Instrutora Silvia Regina
Créditos: Fabio Souza/CBF

"Por saber da história de mais de 40 anos de luta da arbitragem feminina, sei que a importância do curso é muito grande. São muitas mulheres que estão desenvolvendo um trabalho de arbitragem profissional, que estão ocupando o espaço devido às mulheres e fazendo um trabalho em conjunto com os homens. Esse profissionalismo no futebol é muito importante."

Silvia ainda falou sobre a evolução da arbitragem no Brasil e qual a função dos instrutores nesse processo.

"A arbitragem no Brasil evoluiu muito quando a gente começou a introduzir ferramentas para que os árbitros pudessem se desenvolver por si só, que não sejam dependentes de outras pessoas, de instrutores ou de capacitações. O que nós instrutores fazemos é dar o start para o árbitro para que ele se desenvolva, com treinamentos teóricos, práticos e assistir o jogo de futebol e poder aplicar o de melhor no campo de jogo", finalizou.

Silvia Regina - Curso RAP-FIFA Silvia Regina - Curso RAP-FIFA
Créditos: Joilson Marconne / CBF

PATROCINADORES

A CBF Nike Guaraná Antartica Vivo Itaú Neoenergia Mastercard Gol Cimed Pague Menos TCL Semo Technogym Core Laser Mectronic Kin Analytics