Pierluigi Collina e Mássimo Bussaca no Workshop de Arbitragem

Pierluigi Collina e Mássimo Bussaca no Workshop de Arbitragem

O segundo dia do Workshop da Arbitragem foi histórico com as presenças do presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa, Pierluigi Collina, do chefe do departamento de arbitragem da Fifa, Massimo Bussaca e o presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, Wilson Luis Seneme.

Segundo dia de Workshop de arbitragem 2021 Segundo dia de Workshop de arbitragem 2021
Créditos: Thais Magalhães/CBF

O segundo dia do Workshop da Arbitragem foi histórico, com as presenças do presidente do Comitê de Arbitragem da Fifa, Pierluigi Collina, do chefe do departamento de arbitragem da Fifa, Massimo Bussaca e o presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, Wilson Luis Seneme.

“A pandemia nos ensinou muitas coisas. Uma delas é que a gente pode reunir árbitros de todo o Brasil em um ambiente virtual e pode ouvir pessoas da importância das que temos hoje. A arbitragem brasileira será outra depois do dia 11 de maio”, disse Leonardo Gaciba, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF na abertura do evento.

Gaciba fez questão de agradecer ao presidente da CBF, Rogério Caboclo, por mostrar respeito à arbitragem desde o primeiro dia de sua gestão.

“Estamos perto de completar 1000 jogos com o VAR e em breve vamos à disposição da arbitragem o Centro de Excelência de Arbitragem Brasileira (CEAB), o maior investimento já feito na arbitragem brasileira. Um espaço para se pensar arbitragem 24 horas por dia, com todo o VAR em um só local”, disse Gaciba, lembrando que Caboclo foi responsável pelo suporte financeiro à arbitragem brasileira durante a pandemia do novo coronavírus.

Antes da palestra de Collina, Leonardo Gaciba fez uma ampla apresentação para o presidente da Comissão de Arbitragem da Fifa sobre a atual estrutura da arbitragem brasileira, da preocupação com um rigoroso protocolo de segurança em relação à Covid-19 desde o ano passado, com mais de 8 mil testes feitos antes dos jogos e da relevância do VAR nesse novo momento do futebol, que reduziu de cinco para um os erros capitais por rodada da Série A.

“Gostaria de parabenizar a CBF por organizar este Workshop. Fiquei muito impressionado com sua apresentação sobre a arbitragem brasileira e pela organização profissional que vocês têm e pelo alto grau atingido. o Brasil tem se destacado principalmente pelos excelentes resultados após a implantação do VAR em suas competições nacionais.”, disse Collina.

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO

Pierluigi Collina falou aos árbitros brasileiros principalmente sobre a importância e a responsabilidade do árbitro em proteger o jogador, lembrando casos como o do atacante holandês Marco Van Basten, que abandonou o futebol precocemente por conta de repetidas lesões por entradas violentas. Falou também sobre a evolução de diversas regras do jogo ao longo dos últimos anos, com destaque para o VAR: “Tudo o que foi alterado foi feito para proteger o jogo e proteger o árbitro” ressaltou o italiano.

Collina apresentou a evolução das regras em benefício do futebol e fez questão de alertar os árbitros brasileiros sobre a preparação que se deve fazer para um jogo. Lembrou que antes da final da Copa de 2002 viu o vídeo de todos os jogos anteriores de Brasil e Alemanha para estudar cada time, cada jogador, e tentar antecipar o que poderia acontecer na final. “Hoje em dia as tecnologias facilitam essa preparação”, disse.

Na mesma linha de Collina, depois foi a vez do suíço Mássimo Bussaca, chefe do departamento de arbitragem da Fifa. “Um árbitro tem que saber o seu papel dentro de campo. Não importa qual seja o jogo: seja uma decisão de campeonato, seja de um jogo entre times modestos. Árbitros precisam chegar aos jogos prontos, e não depender da sorte”, disse.

Bussaca afirmou que é preciso encontrar a maneira certa de se comunicar com jogadores. Preparar-se cada vez mais, ver mais jogos, treinar mais. Não só na elite da arbitragem, mas nas categorias de base. “Honestidade e sinceridade acima de tudo”, disse, citando sobre a receita do sucesso: "Sucesso não é um acidente, não acontece por acaso". Finalizou apresentando vídeos de incidentes de mãos de competições nacionais e internacionais, cujas decisões dos árbitros brasileiros foram corretas.

Para fechar, Wilson Luis Semene, Presidente da comissão de arbitragem da Conmebol reforçou o tema “controle do jogo”, falando principalmente das decisões disciplinares: “Credibilidade é chave para o controle do jogo. Hoje em dia, com o VAR, não se aceitam erros de arbitragem. Mostrar segurança e equilíbrio em sua linguagem verbal e corporal é fundamental para o controle do jogo. O árbitro que controla o jogo nos primeiros 15 minutos já tem um bom caminho andado. Mas não pode esquecer dos cinco minutos finais, quando, em geral, se perde a concentração. Vocês tiveram a oportunidade de ouvir a Fifa. Espero que aproveitem. Parabéns à CBF e a comissão de arbitragem brasileira pela iniciativa” finalizou.

A quarta-feira será o último dia do Workshop, onde vão falar a árbitra americana Kari Saitz, sobre a evolução do futebol feminino, o responsável pelo projeto do VAR da Fifa, o holandês Mike Roast, e fechando o Workshop, o uruguaio Jorge Larrionda, sobre arbitragem preventiva.


Veja mais