Marcelo de Lima Henrique completa 200 jogos no Brasileirão Assaí

Marcelo de Lima Henrique completa 200 jogos no Brasileirão Assaí

Filho do ex árbitro José Henrique Neto, que faleceu recentemente, Marcelo de Lima Henrique dedica o 200° jogo ao pai, grande incentivador de sua carreira.

Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão
Créditos: Solimar de Oliveira/CBF

A noite desta segunda-feira (7) teve um significado especial para o árbitro Marcelo de Lima Henrique (CBF-RJ). Ao apitar a partida entre Atlético-GO e Goiás, no estádio Antônio Accioly, em Goiânia (GO), válida pela 24° rodada do Brasileirão Assaí, ele atingiu a marca de 200 jogos na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Marcelo entra para o grupo especial de 19 árbitros, em um total de 699, desde 1959, com mais de 200 partidas na elite do futebol brasileiro.

Da lista de árbitros em atividade, apenas Héber Roberto Lopes (CBF-SC), recordista com 351 jogos, Leandro Vuaden (CBF-RS), 230, e Ricardo Marques (CBF-MG), 201, estão acima de Marcelo de Lima Henrique.  Emocionado, o árbitro comentou sobre a oportunidade de completar 200 na Série A em um clássico importante.

"Privilégio para mim chegar aos 49 anos de idade ainda inserido no futebol pentacampeão do mundo. É uma alegria muito grande estar aqui, então agradeço e dedico à todos os meus colegas e familiares porque estar aqui é uma luta muito grande e não sei o limite. Vamos embora aí enquanto papai do céu permitir que eu desfrute estar dentro do campeonato brasileiro. É uma grande satisfação, alegria. Dia de festa", 

Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão
Créditos: Solimar de Oliveira/CBF

Somando todas as competições, o árbitro tem 320 jogos no currículo. Um número expressivo que abrange torneios nacionais como as Séries A, B, C, D e Copa do Brasil. Seu destaque rendeu um escudo FIFA que o fez representar a arbitragem brasileira na Copa Libertadores (2010, 2012, 2013, 2014), Copa Sul-Americana (2010, 2011, 2012, 2013) e Eliminatórias da Copa (2014). Na temporada 2020, Marcelo apitou 18 jogos entre Campeonato Brasileiro Série A, Série B, Copa do Brasil e Campeonato Carioca.

Os caminhos do apito não foram a primeira opção de Lima Henrique. Ele atuou como goleiro nas categorias de base do Flamengo, Bangu, América-RJ e Operário-MS e chegou a ingressar no serviço militar, tornando-se Fuzileiro Naval. Mas o referencial dentro da família fez com que Marcelo adotasse a arbitragem como carreira. Seu pai, José Henrique Neto, que faleceu recentemente, foi árbitro de futebol e deu de presente o primeiro apito de Marcelo. Hoje, o filho homenageia o pai com a marca conquistada.

"Se eu sou árbitro hoje eu devo tudo ao meu pai. Ele me levou para fazer o curso de árbitros, eu não tinha grana, ganhei meia bolsa da Federação do Rio de Janeiro, do professor Carlos Elias Pimentel e a outra metade o meu pai pagou. Meu pai me levou nos jogos, me deu o meu primeiro uniforme, meu primeiro apito e me incentivava. Então, eu dedico essa arbitragem hoje à ele, dedico a minha carreira à ele e a minha família também, mas eu sei que do céu ele está olhando para a gente aqui. É um dia especial para mim, muito emocionante", dedicou o árbitro carioca.

Marcelo de Lima Henrique (esquerda) com seu pai, José Henrique Neto (centro) Marcelo de Lima Henrique (esquerda) com seu pai, José Henrique Neto (centro)
Créditos: Arquivo Pessoal

Antes da bola rolar para a vitória do Goiás por 1 a 0 no clássico goiano, Marcelo recebeu das mãos do Observador do VAR, Nilson Monção, uma camisa especial com seu nome e cartões personalizados com o número 200, homenageando a marca de jogos na Série A. Wilton Pereira Sampaio (CBF-GO) segue na cola com 194 partidas na primeira divisão do campeonato brasileiro.

Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão Marcelo de Lima Henrique recebe homenagem por 200 jogos na Série A do Brasileirão
Créditos: Solimar de Oliveira/CBF