Árbitros realizam testes físicos para compor quadro de profissionais da FIFA

Árbitros realizam testes físicos para compor quadro de profissionais da FIFA

Entre homens e mulheres, árbitros (as) e árbitros (as) assistentes, 43 profissionais foram avaliados e submetidos aos testes de aptidão física.

Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos
Créditos: Thais Magalhães/CBF

Nessa quarta-feira (19), a elite da arbitragem brasileira passou por um importante desafio. No campo anexo do Estádio Nilton Santos, na Zona Norte do Rio de Janeiro, 43 árbitros e árbitros assistentes, entre homens e mulheres, realizaram os testes físicos para compor o quadro de profissionais da FIFA. Foram submetidos às avaliações de aptidão física profissionais que já estão no plantel da FIFA, assim como aspirantes que buscam estampar a insígnia da entidade máxima do futebol mundial em seus uniformes pela primeira vez.

Sob as exigências físicas máximas, os profissionais foram avaliados para se habilitarem a arbitrar competições chanceladas pela FIFA. Responsável pelo monitoramento de performance da arbitragem durante os testes físicos, Paulo Camello, Instrutor Físico da CBF, CONMEBOL e FIFA, aprovou o desempenho dos profissionais ao longo da sessão de avaliações específicas.

“Estamos tendo um bom nível de trabalho. Até pelo número de participantes, o grupo mostrou uma boa performance. Temos visto um ótimo nível de trabalho. Nós (equipe de avaliação) estamos bem felizes e tranquilos com o nível desempenhado por eles aqui”, destacou Camello.

Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos. Paulo Camello Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos. Paulo Camello
Créditos: Thais Magalhães/CBF

A análise de Camello foi ratificada por Gustavo Almeida. Em entrevista ao site da CBF, o responsável pela instrução física dos árbitros no estado do Rio de Janeiro ressaltou a importância dos altos níveis de exigência nas avaliações para que o preparo físico de excelência se concretize em boas atuações dentro dos gramados.

“Foi um saldo positivo. São provas que, por serem índices FIFA, são um pouco mais exigentes do que tradicionalmente a maioria faz. Mas dá para ver que o nível na parte física está muito alto. Mesmo com as dificuldades de preparação que a pandemia impôs, conseguimos manter um ótimo índice. Com isso, os árbitros podem desenvolver a parte física muito bem dentro das partidas”, avaliou Gustavo.

Testes Explicados

Ao longo da sessão de testes, os árbitros foram submetidos às avaliações de velocidade e resistência. Primeiramente, os árbitros, homens e mulheres, realizaram seis tiros seguidos de 40 metros em até 6 segundos. Em seguida, percorreram 4000 metros, em 40 tiros de 75 metros em até 15 segundos, seguidos por recuperação de 25 metros, percorrido em até 18 segundos.

Esses são os índices de competições masculinas da FIFA, que credenciam os aprovados a atuarem em qualquer competição internacional da entidade. Foram realizados também os testes de índices femininos, que credenciam os aprovados (árbitros e assistentes) a arbitrarem em torneio femininos e também em campeonatos de base.

Já os árbitros assistentes, além dos testes de velocidade e resistência, também passam por uma avaliação específica da função, que testa a agilidade dos profissionais. Através de deslocamentos curtos e em alta intensidade, frontais (10m) e laterais (8m), os assistentes têm suas valências físicas testadas.

Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos
Créditos: Thais Magalhães/CBF

Além das provas em si, Wilton Pereira Sampaio destacou que a reunião entre os profissionais de arbitragem é de extrema importância para reestabelecer contatos e alinhar fundamentos. Presente no quadro FIFA desde 2013 e acostumado a mediar decisões, Wilton elogiou o senso de coletividade apresentado pelos profissionais ao longo dos testes físicos.

“É um troca de experiências, acima de tudo. Aqui temos árbitros experientes, que estiveram em grandes competições, com árbitros novos que estão chegando, promissores e com um futuro brilhante pela frente. É muito importante esse tipo de reunião, somos uma equipe. Um time, como diz nosso Presidente Leonardo Gaciba, aqui é o time de arbitragem da CBF, com cada um fazendo seu máximo, seu melhor, para representar bem a nossa instituição e a FIFA”, frisou o árbitro.

Luiz Flávio de Oliveira, por sua vez, elogiou a estrutura que receberam os árbitros e árbitros assistentes. Habituado a atuar sob a pressão de grandes competições, o profissional explicou que a tensão para o teste físico é minimizada quando se está em boa forma.

“Estou satisfeito com meu resultado. No início de carreira, a gente sempre vem com aquela pressão muito grande. Mas temos que entender que é algo que já fazemos no nosso dia a dia, todo final de semana. O treino para a gente é mais constante. Quando a gente vem em uma pista ótima dessas, pista de corridas internacionais, nos sentimos em treinos, numa capacidade e estrutura melhor”, declarou o árbitro.

Presença Feminina

A presença feminina no esporte cresce exponencialmente, e na arbitragem não é diferente. Dos 43 profissionais que se habilitaram aos testes físicos do quadro FIFA, 16 eram mulheres – entre árbitras e árbitras assistentes. Dentre elas, Rejane Caetano e Michelle Peixoto Safatle foram aprovadas sob os índices de competições masculinas – os mais exigentes em termos de tempo e distância.

Para um desafio dessa magnitude, uma impulsionou a outra durante os testes de velocidade e resistência. Feliz com o êxito, Rejane narrou as formas de incentivo que ela e Michelle utilizaram ao longo das avaliações.

“Antes da prova, ela (Michelle) chegou para mim e disse que precisava de ajuda, qualquer palavra, gesto, para poder estimulá-la. Nessa prova, é algo muito individual, porque a gente treina cada uma no seu perfil. Eu falei que se ela estivesse treinada, hoje seria um treino, para ela focar no mental. Teve um momento da prova em que eu não conseguia falar, porque estava trabalhando minha respiração no ritmo da minha passada. Mas com o gesto de mão, ela aumentava a passada. Então ali uma estava motivando a outra. Estamos bem unidas. A Edina, uma referência, cada palavra dela é uma motivação. Se eu me sinto preparada, por que não fazer o índice masculino? Para mim era um desafio que hoje consegui concretizar”, revelou Rejane.

Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos. Michelle e Rejane Testes físicos dos árbitros internacionais da FIFA e dos aspirantes FIFA no Estádio Nilton Santos. Michelle e Rejane
Créditos: Thais Magalhães/CBF

Michelle, por sua vez, exaltou a parceria e o alicerce que encontrou em Rejane durante os testes físicos. Recém-conhecidas, elas fizeram história e foram elogiadas pelos companheiros, assim como pelos avaliadores presentes no Estádio Nilton Santos.

“A gente (mulheres) vem conquistando nosso espaço. E eu nem conhecia a Rejane antes, conheci ela nesse curso. Já tinha uma admiração grande por ela pelas redes sociais, de contato por mensagens, grupos femininos da CBF. E a gente veio nessa parceria de incentivo uma a outra. Busquei isso para me ajudar e ter esse suporte, e ela foi muito parceira. Foi 100%, pude contar com ela, assim como ela contou comigo. E o resultado veio”, celebrou Michelle.

 


Veja mais