Árbitra central: Edina Batista, Paraná

Árbitra central: Edina Batista, Paraná

Edina iniciou a carreira em 2001, como assistente e central. Em 2007, entrou para o quadro da CBF como bandeirinha e hoje é árbitra principal da entidade

Edina Batista, do Paraná, é a árbitra central brasileira pré-selecionada pela FIFA para a Copa do Mundo Feminina da França de 2019. O caminho até conquistar essa primeira etapa não foi fácil. A paranaense de 37 anos começou a trabalhar na arbitragem em 2001, ainda se dividindo nas funções de bandeirar e apitar. 

– No início, nós podíamos fazer as duas funções, ser árbitra central e ser assistente, e assim eu me revezava. Mas meu sonho sempre foi ser árbitra – explicou Edina.

Em 2007, quando entrou para o quadro da CBF foi para ser assistentes de jogos nacionais. Apesar de ter realizado um sonho, a paranaense ainda não estava 100% feliz, queria entrar como árbitra central. Em 2009 teve a oportunidade e não deixou passar. Há três anos iniciou a carreira nas competições masculinas: bandeirou jogos das Séries A, B, C e D. 

– Depois das oportunidades como assistente, me dediquei ainda mais e conquistei o escudo da FIFA como árbitra central. É uma responsabilidade muito grande. Além disso, no ano passado, fui contemplada com uma escala de árbitra central para a Série D. É um sonho. Isso que está acontecendo é um objetivo alcançado que eu só tenho a agradecer à CBF.

Além de Edina, duas assistentes também estão na lista das pré-selecionadas pela FIFA para a Copa do Mundo de 2019: Neuza Back e Tatiane Sacilotti. Neuza atuou nos Jogos Olímpicos e já foi avaliada pela entidade máxima do futebol. Agora será a vez de Edina e Tatiane, que irão para Portugal para serem observadas na Copa Algarve, um mundialito de seleções femininas.